Anuncie em Nossa Revista de Classificados

Anuncie em  Nossa Revista de Classificados
Para Porto Alegre RS

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Glória 2 x 1 São Luiz (56)

Glória 2 x 1 São Luiz (56)

Ordem do Mérito Cultural 2015

Este e-mail não está sendo exibido corretamente? Vê-lo no seu navegador.

UMA CELEBRAÇÃO DA ARTE E DA CULTURA DO BRASIL

A noite de entrega da mais alta condecoração da cultura brasileira, a Ordem do Mérito Cultura (OMC) 2015, foi memorável. Na segunda-feira, dia 9/11, mais de 400 pessoas se reuniram no salão nobre do Palácio do Planalto, ao lado da presidenta Dilma Rousseff e do Ministro da Cultura, Juca Ferreira, para homenagear 29 personalidades e cinco instituiçõesque compõem um retrato coletivo da arte e da cultura do Brasil.
O evento foi transmitido ao vivo pela EBC e o vídeo está disponível aqui.
22912983362 2b61d01ad5 k
O homenageado especial desta 21ª edição da OMC foi o poeta, ensaísta e tradutor Augusto de Campos, um dos criadores do movimento nacional da poesia concreta. A produção da solenidade, que contou com um show de Caetano Veloso e com um surpreendente espetáculo audiovisual concretista, foi de Bia Lessa.
Clique nas fotos abaixo e confira o álbum de fotos do evento!
Crop - augusto de campos
Homenageado nesta edição, o poeta Augusto de Campos discursa na entrega da Ordem do Mérito Cultural 2015, ao lado da presidenta Dilma Rousseff e do ministro da Cultura, Juca Ferreira. Foto: Lia de Paula/MinC
crop  caetano
Caetano Veloso na entrega da Ordem do Mérito Cultural 2015. Foto: Lia de Paula/MinC
crop proj 1
As janelas do Palácio do Planalto viraram telas para o espetáculo de projeções concretistas. Foto: Lia de Paula/MinC
crop proj 2
Foto: Lia de Paula/MinC
22936990931 7b7091017c k
“Sou um indígena que lutou pelo direito de floresta, de cultura e do povo Yanomami. Fico feliz e sinto muito orgulho de mim e dos não indígenas que conhecem meu trabalho e minha luta”, declarou Davi Kopenawa Yanomami, ativista indígena, ao receber a condecoração.

Nos discursos, o elogio e a percepção do papel da cultura

A exaltação da diversidade cultural brasileira, o reconhecimento dos talentos e dos esforços de pessoas e instituições, e a alegria de celebrar a capacidade criadora e transformadora da cultura foram algumas das expressões que se destacaram nas palavras da presidenta Dilma Rousseff, do Ministro Juca Ferreira e do poeta Augusto de Campos.

DILMA ROUSSEFF

photo300588595246378323  1
Foto: Lia de Paula/MinC
Leia o discurso da presidenta Dilma Rousseff.

JUCA FERREIRA

photo300588595246378325
Foto: Lia de Paula/MinC
Confira o discurso do ministro Juca Ferreira na íntegra.

AUGUSTO DE CAMPOS

photo300588595246378326
Leia o discurso de Augusto de Campos.
print cae YT
Foto: Lia de Paula/MinC
Clique na imagem e assista a entrevista com Caetano Veloso na íntegra!

Entrevista exclusiva com Augusto de Campos

crop augusto 2
Foto: Lia de Paula/MinC
“A linguagem icônica, não verbal, é enorme. Nem todos os poetas se sentem a vontade para usar esses recursos e preferem trabalhar com outros parâmetros da linguagem. A poesia pode assumir as formas mais variadas. As novas gerações estão se apropriando dessa linguagem que usa o lado verbal e o lado não verbal.” A entrevista pode ser lidaaqui.
22507948007 e7771d3a97 k
Estandartes criados pelo artista Miguel Rio Branco e pela diretora de arte da cerimônia, Bia Lessa, encerram o evento. Foto: Lia de Paula/MinC

Notícias

clipping opmc 2015
Leia a repercussão da Ordem do Mérito Cultural na mídia!
1px

Geledés

Você está recebendo as atualizações do Portal Geledés.
Portal Geledés
Para sair desta lista, clique aqui.

Geledés

Em defesa dos direitos humanos. Combate ao racismo, preconceito, discriminação e violência contra a mulher.

Chacina em Fortaleza: Polícia apura três linhas de investigação

Like Chacina em Fortaleza: Polícia apura três linhas de investigação on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
Chacina em Fortaleza: Polícia apura três linhas de investigaçãoÓrgãos de Segurança determinam prioridade na apuração dos casos. Retaliação pela morte de PM, guerra entre gangues ou revide por execução de traficante estão entre hipóteses Do O Povo Onze mortes em um intervalo de três horas e meia, assassinados em quatro comunidades de Fortaleza. Todos do sexo masculino — sete deles com idade entre 16 […] Leia mais »

SEPPIR: Semana Nacional da Consciência Negra

Like SEPPIR: Semana Nacional da Consciência Negra on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
SEPPIR: Semana Nacional da Consciência Negra  Lançamento da campanha Novembro pela Igualdade Racial e a Marcha das Mulheres Negras, em Brasília – DF no dia 18, compõem a programação Do Seppir  via Guest Post para o Portal Geledés Por ocasião do Dia Nacional da Consciência Negra, celebrado no dia 20 de novembro, o Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos realiza […] Leia mais »

Escândalo de doping pode consagrar africana que teve que provar ser mulher

Like Escândalo de doping pode consagrar africana que teve que provar ser mulher on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
Escândalo de doping pode consagrar africana que teve que provar ser mulherA sul-africana Caster Semenya, 24, pode herdar duas medalhas de ouro de uma só vez por causa do escândalo de doping envolvendo a equipe russa de atletismo. Ela foi medalhista de prata nos 800m no Mundial de Daegu-2011, na Coreia do Sul, e nos Jogos Olímpicos de Londres-2012. Em ambas as provas, foi superada por […] Leia mais »

Não! Ninguém vai conseguir calar a ‘Primavera das Mulheres’

Like Não! Ninguém vai conseguir calar a ‘Primavera das Mulheres’ on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
Não! Ninguém vai conseguir calar a ‘Primavera das Mulheres’Hoje, elas foram 9 mil nas ruas do Rio de Janeiro e de São Paulo. Que, juntas, querem representar o direito e a voz de todas as mulheres brasileiras. Em São Paulo, uma onda de jovens aguerridas e empoderadas, que não aceitam ter suas liberdades tolhidas, seus direitos sexuais e reprodutivos reduzidos a pó gritavam, […] Leia mais »

A presença colorida do feminismo negro

Like A presença colorida do feminismo negro on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
A presença colorida do feminismo negroCom rodas de samba, saraus, plenárias e manifestações, pretas costuram amplas alianças e, recordando Zumbi e Lélia Gonzalez, preparam-se para desaguar sua força em Brasília Por Inês Castilho Do Outras Palavras “Estamos em marcha!” Com esse grito de guerra, milhares de mulheres negras brasileiras realizarão no dia 18 de novembro, em Brasília, a “Marcha das […] Leia mais »
Copyright © 2015 geledes
Você está recebendo esta mensagem porque se inscreveu no Portal Geledés.

geledes
Rua Santa Isabel 137 - 4º andar
São PauloSP 01221-010
Brazil

Add us to your address book


sair desta lista    atualizar preferências
 

Povo Negro




José Antonio dos Santos da Silva
Ubuntu.
Militante do Movimento Social Negro e dos Direitos Humanos.
Acadêmico de Direito - Estácio/FARGS-RS
+ 55 51 80208344 - Vivo - WhatsApp
+ 55 51 82490039 - TIM - WhatsApp
Skype: jass_rs
Twitter: @JASSRS62
Facebook: www.facebook.com/jose.a.silva.336 - Perfil 01.

Geledés

Mulheres negras: as maiores vítimas de feminicídios no Brasil


Adital
O Brasil ocupa a incomoda quinta posição no ranking global de homicídios de mulheres entre 83 países pesquisados pela Organização das Nações Unidas (ONU). É o que mostra o "Mapa da violência 2015: homicídio de mulheres no Brasil”, divulgado nesta segunda-feira, 09 de novembro. Em 2013, a taxa de mortes por assassinato de mulheres para cada 100 mil habitantes foi de 4,8 casos. A média mundial foi de dois casos. 4.762 mulheres foram mortas violentamente em 2013: 13 vítimas fatais por dia.
O Mapa, realizado pela Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso Brasil), aponta um aumento de 21% no número de feminicídios no país, entre 2003 e 2013, quando 13 mulheres foram mortas por dia no Brasil. A maioria dessas mortes, 50,3%, são cometidas por familiares e 33,2% por parceiros ou ex-parceiros, dados de 2013.
reproducao
Este cenário é ainda mais alarmante quando se trata das mulheres negras. A década 2003-2013 teve um aumento de 54,2% no total de assassinatos desse grupo, saltando de 1.864, em 2003, para 2.875, em 2013. Aproximadamente 1 mil mortes a mais em 10 anos. Em contrapartida, houve recuo de 9,8% nos crimes envolvendo mulheres brancas, que caiu de 1.747 para 1.576 entre os anos.
A vitimização de mulheres negras – a violência contra elas, que pode não ter se concretizado como homicídio –, cresceu 190,9% na década analisada. A vitimização desse grupo era de 22,9%, em 2003, e saltou 66,7%, no ano passado. "Alguns estados chegam a limites absurdos de vitimização de mulheres negras, como Amapá, Paraíba, Pernambuco e Distrito Federal, em que os índices passam de 300%", observa a pesquisa.
A ministra da Mulher, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos, Nilma Lino Gomes, avalia que os dados sobre aumento de homicídios de mulheres negras revelam o quanto precisamos "avançar e articular lutas e esforços”. "Que possam nos motivar e não nos desanimar para pensarmos uma sociedade melhor”, destacou durante a apresentação do estudo, em Brasília.
Já a secretária de Políticas para as Mulheres do Ministério, Eleonora Menicucci, classifica os índices de feminicídios como "lamentáveis, de entristecer qualquer homem ou mulher de bem neste país”. Sobre o recorte racial, ela avalia que existe uma reação ao protagonismo das mulheres negras, que "assumiram, na última década, um lugar de sujeitos políticos muito determinado”. Ela destaca também o papel do feminismo entre jovens mulheres para combater os crimes de ódio e de intolerância no país.
A representante da ONU Mulheres no Brasil, Nadine Gasman, diz que a "garantia do direito de mulheres e meninas de viverem sem violência é o cerne do mapa”, que revela a "perversa relação entre racismo e machismo no Brasil”.
reproducao
Para Ivana de Siqueira, coordenadora executiva da Flacso Brasil, a violência contra as mulheres é uma situação "com a qual não podemos mais conviver”. Ela destaca os índices de mortes em domicílio, mortes por estrangulamento e mortes de mulheres negras: "As mulheres estão morrendo pela combinação desses três fatores, morrem por serem mulheres, no ambiente doméstico e por parentes próximos ou parceiros”. Para ela, são dados que nos fazem "refletir e rever medidas, não só do governo. O machismo e o racismo precisam ser trabalhados no âmbito da educação, mas, lamentavelmente, o Plano Nacional de Educação retirou do currículo a questão de gênero”, afirma.
O estudo aponta que, entre 2006, ano da promulgação da Lei Maria da Penha, e 2013, apenas cinco Estados registraram diminuição de feminicídios: Rondônia, Espírito Santo, Pernambuco, São Paulo e Rio de Janeiro. Para o sociólogo Julio Jacobo, as políticas públicas atuais "são corretas, mas não são suficientes”. O sociólogo atribui parte do aumento recente de feminicídios à reação do sistema patriarcal às políticas e lutas das mulheres. Para ele, a impunidade e a invisibilidade dos feminicídios de negras também são fatores que contribuem para essa tendência.
Luis Codina, representante da Opas no Brasil, destaca a importância de trabalhar a igualdade de gênero desde a adolescência e desconstruir o modelo existente.
O estudo foi realizado pelo sociólogo Julio Jacobo Waiselfisz, coordenador da área de Estudos sobre Violência da Flacso Brasil, com apoio da ONU Mulheres, da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (Opas/OMS) e da Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM) do Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos.
reproducao
O documento observa a existência de escalada na violência contra mulheres a partir de 1980, como uma "tendência histórica que evidência um lento, mas contínuo, aumento do flagelo” vivido por elas. As mortes ocorrem em todos os estados e no Distrito Federal, indistintamente, como um traço "cultural do patriarcalismo” que, supostamente, "autoriza que o homem pratique essa violência”. "Como essas mulheres foram vitimadas de forma dispersa ao longo do território nacional, reina a indiferença, como se não existisse um problema", assinala o documento.
Embora a pesquisa encerre o recorte sobre os homicídios em 2013, quando ainda não existia a Lei do Feminicídio, o documento reúne dados do Sistema Único de Saúde (SUS) relativos a 2014. O SUS registrou 85,9 mil atendimentos a mulheres e meninas "vítimas de violência exercida por pais, parceiros e ex-parceiros, filhos, irmãos”.
Com informações da Agência Patrícia Galvão, Flacso Brasil e Presidência da República.