Inter 3 x 0 Figueirense

Inter 3 x 0 Figueirense
Brasileiro B 2017

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Imagens


Para funnydesi@yahoogroups.com
18 Jul 2010

Blogando com João Amaro: SAÚDE

Blogando com João Amaro: SAÚDE: A falta de médicos, remédios e a demora no atendimento são as reclamações da população. O grande numero de atendimento na UPA é devido à fa...

Blogando com João Amaro: UMA ADMINISTRAÇÃO MEIA BOCA

Blogando com João Amaro: UMA ADMINISTRAÇÃO MEIA BOCA: A administração do atual prefeito já completou cinco anos, mas até agora ainda não achou o rumo certo. Vou abordar dois fatos que ressalta...

Desigualdade

 Desigualdade entranhada n’alma
Regina Bruno
            Em dezembro de 2013, um grupo de jovens da periferia São Paulo, ao perceber que o mundo virtual não basta para o florescimento de amizades, decidiu programar um rolezinho em um dos shopping centers da cidade para conhecer seus 15 mil seguidores das redes sociais. Relativizavam, com essa proposta, os estudos que davam por findo o contato físico como parte das relações de sociabilidade, fazendo-nos perceber que as redes sociais trazem novos modos de ação coletiva, de questionamento e de adesão que se somam a práticas já conhecidas.
Os inúmeros rolezinhos que a partir de então se espalharam pelas cidades e a reação a essas manifestações coletivas de jovens nos mostram o quão profunda é nossa desigualdade social, colocando-nos diante de um universo claramente dividido entre os estabelecidos e os outsiders – configuração reveladora de toda relação de poder.
            Estabelecidos e outsiders que se definem na relação que as nega e que as constituem como identidades sociais. Indivíduos e grupos ao mesmo tempo separados e unidos por um laço tenso e desigual de interdependência e de poder, diriam Norbert Elias e John Scotson.
            Os estabelecidos se reconhecem e amiúde são reconhecidos como os membros da “boa sociedade”. São os bem-vindos frequentadores e consumidores dos shoppings centers; os supostos guardiões do bom gosto e das boas maneiras que encarnam os valores elitistas da distinção. Eles, quando entrevistados pela mídia, descartaram toda e qualquer possibilidade de diálogo e sugeriram a proibição de acesso por parte dos jovens que participam dos rolezinhos e de seus aliados a essas “Catedrais das mercadorias” como diria Valquíria Padilha, socióloga. Exigiram a intervenção policial como única garantia de proteção, de tranqüilidade e de segurança.
            De outro lado, os jovens da periferia das cidades: considerados os “não membros”, os “não clientes”, os “indesejados”, aqueles que se encontram “fora da boa sociedade”. Recorrentemente estigmatizados por atributos característicos de uma situação de anomia: os sem identidade, os sem educação, os sem distinção. Chamados pela mídia como gente marginal e arruaceira. 
            Jovens que procuraram quebrar a barreira da invisibilidade e vão aos shoppings – espaço dos estabelecidos – pelos mais diferentes motivos: por ser “o lugar de muita mulher bonita”; porque “se sentem bem ali”; “para paquerar”; “para verem e serem vistos”; “porque o shopping é a praia dos paulistas” ; para “comprar roupa de marca” ou porque na comunidade “não tem praça, nem lazer”.
            Desigualdade, veiculada pelas autoridades instituídas ou difundida pela mídia e analistas de plantão, regida pela lógica da exclusão que se revela das mais diferentes falas, modos e meios
            Desigualdade, sinônimo de humilhação, indicando uma escala de valores na qual as relações baseadas na reciprocidade e reconhecimento do outro se encontram profundamente desvalorizadas.
            Desigualdade que se nutre de intolerância e de preconceitos os mais diversos. Alimenta-se e alimenta o medo diante de manifestações coletivas que fogem aos cânones socialmente estabelecidos. Que segrega, não dialoga, sente-se ameaçada, ameaça e proíbe toda e qualquer manifestação que possa ir de encontro às regras nem sempre claras e sempre autoritariamente estabelecidas. Que dilacera cotidiano desses jovens porque não os reconhece e os ignora. Que associa a riqueza de uns à privação de outros. Que pressupõe a objetivação, a “desvalorização do mundo humano e a valorização do mundo das coisas” como bem afirma Marx em Os Manuscritos de 1844.
            Desigualdade unicamente preocupada com a possibilidade de adesão dos “indesejados” sem terra, sem teto, sem direitos ou de apoio dos temidos blackblocs. Inquieta diante da perspectiva de retorno do “clamor das ruas” em tempos de copa e de eleições; temerosa pela possibilidade da violência, da “politização” e da reivindicação por direitos os mais elementares.
            Desigualdade como imposição sobre quais lugares, públicos ou privados, é permitido correr, cantar, gritar, fazer algazarra, zoar, mostrar-se aos outros. Que estabelece aos jovens e às gentes das comunidades mais pobres qual espaço é permitido viver e prescreve a invisibilidade de todos. Alimentada por constrangimentos, humilhações, boletins de ocorrência, revistas, racismo, hostilidades.
            Desigualdade que reforça os componentes ideológicos do domínio; reafirma o peso das distinções; estabelece condições, posições e subalternidades; ignora manifestações que nascem das necessidades desses jovens. Que atesta o quão insuficiente e frágil é o processo de distribuição de renda advindo de políticas públicas num pais, segundo Florestan Fernandes, regido por castas sociais.
            Enfim, uma desigualdade que desvela e anuncia de alto e bom som o imenso descaso das elites, das autoridades e de parte da sociedade para com essa juventude que ora mostra a sua cara.
Rio de Janeiro, 20 de janeiro de 2014.
---
Regina Angela Landim Bruno
CPDA/UFRRJ - www.ufrrj.br/cpda
Av. Presidente Vargas, 417 8o. andar
20071-003 - Rio de Janeiro - RJ - Brasil
tel +55 21 2224 8577 r.211
fax +55 21 2224 8577 r.204

Outras Palavras


Imagem inline 1


Imagem inline 1
Boletim de Atualização - Nº 353 - 25/1/2014

Imagem inline 1
Por que a Síria pode incendiar o Oriente MédioImmanuel Wallerstein descreve o caos geopolítico da região e alerta: “não há mais controle; será preciso sorte, para evitar uma explosão” (Outras Palavras)
O lobo de Wall Street: 
dinheiro como droga pesadaMartin Scorcese retoma suas histórias de ascensão e decadência, agora tendo por cenário a selva de poder e dinheiro dos mercados globais. PorJosé Geraldo Couto (Outras Palavras)
Mais: José Geraldo Couto também vê Ninfomaníaca
Dependência de drogas: o problema é a gaiola
Em quadrinhos, o experimento científico que derrubou o mito segundo a qual substâncias psicoativas são por natureza nocivas e viciantes. Por Cauê Seignermartin Ameni (Blog)
Mais: chegou a vez do México legalizar?
Balzac e os rolezinhos
Quando jovens da periferia são impedidos de entrar num shopping, desenrolam-se os capítulos contemporâneos da Comédia Humana. Por Fábio Salem Daie (Outras Palavras)

Mais: em vídeo, Ladislau Dowbor fala sobre o novo fenômeno

A estranha prisão do jornalista que denunciou “Lista deFurnas”
Juíza fala em "intimidação" e "formação de quadrilha", mas não apresenta provas. Site censurado faz denúncias constantes contra governo mineiro e Aécio Neves. Por Altamiro Borges, em seu blog (Outras Mídias)
Dez documentários que podem mudar suas ideias sobre alimentação
Eles debatem obesidade, uso descontrolado de agrotóxicos, crueldade com animais. E propõem encarar boa comida como parte essencial da cultura humana. Por Constantino Oliveira, no Obvious (Outras Mídias)

Como a indústria farmacêutica manipula testes de medicamentos
Estudos revelam: laboratórios interferem diretamente nos órgãos governamentais que avaliam remédios, produzindo "resultados" que atestam falsa eficácia e minimizam efeitos colaterais. Por Ben Goldacre, na Esquerda.net (Outras Mídias)

Podemos: 
na Espanha, nova iniciativa dedemocracia digitalAtivistas, intelectuais e movimentos lançam sistema que pretende facilitar construção colaborativa de um programa de mudanças sociais.Por Marina Terra, no OperaMundi (Outras Mídias)

Mercado de armas, desconhecido e devastador
Quase sem controle dos Estados e sociedades, um punhado de empresas fatura 1,7 tilhão de dólares/ano, alimentando indústria da morte e corrupção política e midiática. Por Renato Brandão, na RBA (Outras Mídias)

--
Boletim de atualização do site Outras Palavras. A reprodução é bem-vinda. Interessados em recebê-lo devem clicar aqui. Para deixar de receber, aqui. Acompanha nossas novidades também no Facebook e Twitter.


_______________________________________________
Boletimdiplo mailing list
Boletimdiplo@listas.tiwa.net.br
http://listas.tiwa.net.br/listinfo/boletimdiplo
Descadastrar: envie email a Boletimdiplo-unsubscribe@listas.tiwa.net.br

Outras Palavras


Imagem inline 1


Imagem inline 1
Boletim de Atualização - Nº 353 - 25/1/2014

Imagem inline 1
Por que a Síria pode incendiar o Oriente MédioImmanuel Wallerstein descreve o caos geopolítico da região e alerta: “não há mais controle; será preciso sorte, para evitar uma explosão” (Outras Palavras)
O lobo de Wall Street: 
dinheiro como droga pesadaMartin Scorcese retoma suas histórias de ascensão e decadência, agora tendo por cenário a selva de poder e dinheiro dos mercados globais. PorJosé Geraldo Couto (Outras Palavras)
Mais: José Geraldo Couto também vê Ninfomaníaca
Dependência de drogas: o problema é a gaiola
Em quadrinhos, o experimento científico que derrubou o mito segundo a qual substâncias psicoativas são por natureza nocivas e viciantes. Por Cauê Seignermartin Ameni (Blog)
Mais: chegou a vez do México legalizar?
Balzac e os rolezinhos
Quando jovens da periferia são impedidos de entrar num shopping, desenrolam-se os capítulos contemporâneos da Comédia Humana. Por Fábio Salem Daie (Outras Palavras)

Mais: em vídeo, Ladislau Dowbor fala sobre o novo fenômeno

A estranha prisão do jornalista que denunciou “Lista deFurnas”
Juíza fala em "intimidação" e "formação de quadrilha", mas não apresenta provas. Site censurado faz denúncias constantes contra governo mineiro e Aécio Neves. Por Altamiro Borges, em seu blog (Outras Mídias)
Dez documentários que podem mudar suas ideias sobre alimentação
Eles debatem obesidade, uso descontrolado de agrotóxicos, crueldade com animais. E propõem encarar boa comida como parte essencial da cultura humana. Por Constantino Oliveira, no Obvious (Outras Mídias)

Como a indústria farmacêutica manipula testes de medicamentos
Estudos revelam: laboratórios interferem diretamente nos órgãos governamentais que avaliam remédios, produzindo "resultados" que atestam falsa eficácia e minimizam efeitos colaterais. Por Ben Goldacre, na Esquerda.net (Outras Mídias)

Podemos: 
na Espanha, nova iniciativa dedemocracia digitalAtivistas, intelectuais e movimentos lançam sistema que pretende facilitar construção colaborativa de um programa de mudanças sociais.Por Marina Terra, no OperaMundi (Outras Mídias)

Mercado de armas, desconhecido e devastador
Quase sem controle dos Estados e sociedades, um punhado de empresas fatura 1,7 tilhão de dólares/ano, alimentando indústria da morte e corrupção política e midiática. Por Renato Brandão, na RBA (Outras Mídias)

--
Boletim de atualização do site Outras Palavras. A reprodução é bem-vinda. Interessados em recebê-lo devem clicar aqui. Para deixar de receber, aqui. Acompanha nossas novidades também no Facebook e Twitter.


_______________________________________________
Boletimdiplo mailing list
Boletimdiplo@listas.tiwa.net.br
http://listas.tiwa.net.br/listinfo/boletimdiplo
Descadastrar: envie email a Boletimdiplo-unsubscribe@listas.tiwa.net.br

Empregos


Mundo perde 62 milhões de empregos

A crise financeira iniciada em 2008 expulsou do mercado de trabalho 62 milhões de pessoas no mundo e, hoje, 202 milhões de pessoas estão desempregadas, o equivalente a um Brasil inteiro. Enquanto isso, uma elite composta por apenas 85 indivíduos controla o equivalente à renda de 3,5 bilhões de pessoas no mundo.
A reportagem é de Jamil Chade e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 21-01-2014.
Dados divulgados nesta segunda-feira pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) e pela entidade Oxfam revelam o impacto social da crise de 2008. Meia década depois do colapso dos mercados, os ricos estão mais ricos e a luta contra a pobreza sofreu forte abalo. Hoje, 1% da população mundial tem metade da riqueza global.
Os levantamentos foram publicados na véspera do Fórum Econômico Mundial, que começa amanhã em Davos. Pela primeira vez nos mais de 40 anos da entidade, os organizadores reconhecem a desigualdade como o maior risco para o planeta.
Para a OIT e a Oxfam, a crise mundial gerou uma concentração de renda inédita no mundo rico nos últimos 70 anos e fez o número de desempregados bater recorde. O que mais preocupa as entidades é que a recuperação da economia não está sendo seguida por uma geração de postos de trabalho e a previsão é de que, em 2018, 215 milhões de pessoas não terão emprego. "A crise é muito séria e o número de desempregados continua a subir", disse Guy Ryder, diretor-geral da OIT. "Precisamos repensar todas as políticas. A crise não vai acabar até que as pessoas voltem a trabalhar."
Em 2013, mais 5 milhões perderam o emprego, principalmente na Ásia. Desde 2008, um volume extra de 32 milhões de pessoas busca trabalho, sem sucesso. Mas outras 30 milhões de pessoas simplesmente abandonaram o mercado de trabalho e desistiram de procurar empregos. Só em 2013, foram 23 milhões. "Essas são taxas inaceitáveis", disse Ryder. Hoje, a taxa de desemprego global é de 6%. Por enquanto, não há sinal de queda do desemprego na Europa, enquanto outras regiões começaram a registrar aumento.
Jovens
Outra preocupação da OIT é com o fato de que 13,1% dos jovens do mundo continuam sem emprego - 74,5 milhões de pessoas. Apenas em 2013, 1 milhão de jovens perderam seus trabalhos. Mesmo entre os empregados, a situação nem sempre é adequada. Segundo a OIT, 375 milhões de pessoas ganham menos de US$ 1,25 por dia. Outros 839 milhões ganham menos de US$ 2.

85 ricos somam tanto dinheiro quanto 3,5 bilhões de pobres no mundo

A concentração em massa dos recursos econômicos nas mãos de poucos abre uma brecha que supõe uma grande ameaça para os sistemas políticos e econômicos inclusivos, porque favorece poucos em detrimento da maioria. De modo que para lutar contra a pobreza é básico abordar a desigualdade. Esta é a conclusão do relatório Governar para as Elites. Sequestro democrático e desigualdade econômica, que a ONG Oxfam Intermón publicou nessa segunda-feira.
A reportagem é de Clara Blanchar e publicado pela edição brasileria do El País, 20-01-2014.
O estudo parte de dados objetivos de várias instituições oficiais e relatórios internacionais que constatam a “excessiva” concentração da riqueza mundial nas mãos de poucos. São dados como esse, de que 85 indivíduos acumulam tanta riqueza como os 3,570 bilhões de pessoas que formam a metade mais pobre da população mundial. Ou que a metade da riqueza está em mãos de 1% de todo mundo. Isso sem contar, adverte o relatório, que uma considerável quantidade desta riqueza está oculta em paraísos fiscais.
O relatório da organização, será apresentado no Fórum Econômico Mundial de Davos junto a um clamor para que se adotem compromissos para frear a desigualdade, adverte que “as elites econômicas estão sequestrando o poder político para manipular as regras do jogo econômico, o que massacra a democracia”.
O relatório vai acompanhado de dados que mostram com nitidez o acréscimo da concentração de riqueza em poucas mãos desde 1980 até a atualidade. Ou como a concentração e a brecha seguem aumentando apesar da grande recessão do ano 2008. Nos Estados Unidos, por exemplo, a fatia de 1% mais rica da população concentrou 95% do crescimento posterior à crise financeira. Na Europa, os rendimentos conjuntos das 10 pessoas mais ricas superam o custo total das medidas de estímulo aplicadas na União Europeia entre 2008 e 2010 (217 bilhões de euros contra 200 bilhões).
O calor na pressão fiscal aos ricos, os recortes sociais ou o resgate da banca com fundos públicos são exemplos de um fenômeno que é tão visível que aumenta a consciência pública do acréscimo deste poder. A Oxfam Intermón apoia esta afirmação em uma pesquisa realizada na Espanha, Brasil, Índia, África do Sul, Reino Unido e Estados Unidos, que revela que a maior parte da população acha que as leis estão desenhadas para favorecer os ricos. Na Espanha, 80% da população acha que as leis estão feitas com este objetivo.
Sobre o caso espanhol, o diretor da Oxfam Intermón, José María Lado, afirma que o país “não escapa desta dinâmica” e que a atual crise se explica em parte por ela: “Os casos nos quais os interesses de uma minoria economicamente poderosa se impuseram aos interesses da cidadania são numerosos na história de nossa democracia. A crise econômica, financeira, política e social na qual padece a Espanha hoje tem boa parte de sua origem precisamente nessas dinâmicas perniciosas onde o interesse público e os processos democráticos foram sequestrados pelos interesses de uma minoria".
Entre as políticas desenhadas nos últimos anos que favorecem a minoria de ricos, a organização enumera a desregulamentação e opacidade financeira, os paraísos fiscais, a redução de impostos as rendas mais altas ou os recortes de despesa em serviços e investimentos públicos. O relatório constata como, no caso da Europa, “as tremendas pressões dos mercados financeiros impulsionaram drásticas medidas de austeridade que atingiram as classes baixa e média, enquanto os grandes investidores se aproveitaram dos planos de resgate público”.
Por tudo isso, a Oxfam Intermón exigirá no enquadramento do Fórum Econômico Mundial de Davos a seus assistentes (sejam particulares ou representantes de Governos) que adotem compromissos em áreas como os paraísos fiscais (que não se permita que se utilizem para evadir impostos); que se façam públicos os investimentos em empresas e fundos; que respaldem sistemas fiscais progressivos; que exijam a seus Governos que os impostos se destinem a serviços públicos ou em saneamento básico e em educação universais, ou que as empresas que representam paguem salários dignos a seus empregados e os países legislen nesta direção, fortalecendo pisos salariais e direitos trabalhistas.
Se ocorre a alguém pensar que as propostas da Oxfam Intermón são utópicas, a organização lembra que “esta perigosa tendência” é reversível e que existem exemplos disso. Foi o caso, lembra, dos Estados Unidos ou Europa depois da II Guerra Mundial, quando o crescimento econômico se compatibilizou com a redução da desigualdade, ou o caso da América Latina, onde a desigualdade diminuiu “significativamente durante a última década graças a uma fiscalização mais progressiva, os serviços públicos, a proteção oficial e o emprego digno”.
O relatório também contempla exemplos de concentração em países em desenvolvimento e alude à superminoritaria elite indiana, milionários que em boa parte forjaram suas fortunas em setores cujos benefícios dependem do acesso aos serviços básicos; ao poder das elites no Paquistão e sua influência na manipulação legal; à desigualdade na África, apesar da abundância de recursos, ou à chamada “rede mundial de segredos bancários”, que não é nada mais do que a formação dos paraísos fiscais
O que a OIT registrou ainda é que os esforços de redução da pobreza foram afetados pela crise. Em média, o número de pessoas que ganhavam menos de US$ 2 por dia caía em média 12% ao ano. Em 2013, a redução foi de apenas 2,7%.
Enquanto a luta contra a pobreza perde força, dados da Oxfam mostram que a disparidade social no planeta ganhou força desde 2008, quando a crise mundial afetou em especial as classes médias. Hoje, as 85 maiores fortunas do mundo somam US$ 1,7 trilhão, a mesma renda de metade da população. O grupo de 1% mais rico tem renda 65 vezes superior aos 50% mais pobres. 70% da população vive hoje em países onde a desigualdade aumentou nos últimos 30 anos. "As elites globais estão mais ricas e a maioria da população mundial está excluída", diz o informe.
Cerca de 10% da população mundial controla 86% dos ativos do planeta. Os 70% mais pobres controlam apenas 3%. Nos EUA, 95% do crescimento gerado após a crise de 2008 ficou nas mãos de 1% da população. Os dez mais ricos da Europa mantêm fortunas equivalentes a todos os pacotes de resgate aos países da região entre 2008 e 2010 - cerca de 200 bilhões.
No que se refere ao Brasil, a Oxfam aponta para o "significativo sucesso" em reduzir as desigualdades graças a investimentos públicos e aumento de salário mínimo em mais de 50% desde 2003. Ainda assim, o Brasil é a economia onde a renda dos pais mais determina o sucesso dos filhos. A Dinamarca e Suécia estão no lado oposto da tabela.
Para Winnie Byanyima, diretora da Oxfam, o controle da economia mundial por um pequeno grupo não ocorreu por acaso. "A concentração de renda aconteceu por um processo em que a elite levou o processo político a desenhar regras no sistema econômico que a favorecessem."

Dá para reverter a desigualdade social mundial?

Um relatório da ONG Oxfam, publicado na segunda-feira, estima que as 85 pessoas mais ricas do planeta ganham o equivalente às 3,5 bilhões mais pobres.
A reportagem é de Marcelo Justo, publicada pela BBC Brasil, 23-01-2014.
No Fórum Econômico Mundial de Davos - que nesta semana congrega políticos, empresários e personalidades com um volume de negócios equivalente a quase a metade do PIB americano -, a desigualdade foi identificada como uma das principais ameaças à economia mundial.
Mas, ainda que todos concordem com a gravidade do problema, haverá esforços para solucioná-lo?
Nos últimos 30 anos, segundo a Oxfam, o 1% mais rico da população passou a abocanhar renda ainda maior, em 24 dos 26 países que forneceram dados sobre o período. O Brasil é citado como um dos poucos países onde a desigualdade está diminuindo.
Nos EUA, em 1978, um salário anual médio equivalia a US$ 48 mil (em valores atuais), e 1% da população ganhava US$ 390 mil. Em 2010, o salário médio caiu para US$ 33 mil, enquanto 1% da população ganhava mais de US$ 1 milhão.
O período coincide com a hegemonia da crença neoliberal promovida entre os anos 70 e 80 por políticos comoAugusto Pinochet, no Chile, Ronald Reagan, nos EUA, Margaret Thatcher, no Reino Unido.
A ideologia, que emergiu triunfante com a queda do Muro de Berlim, prega regulação mínima do Estado sobre a atividade econômica, liberdade absoluta ao mercado e redução dos impostos aos mais ricos, a fim de promover o crescimento econômico.
A Oxfam defende iniciativas que vão na direção oposta: "É preciso um combate global à evasão a paraísos fiscais. Um sistema de impostos progressivo. Um salário digno", disse à BBC Mundo Ricardo Fuentes-Nieva, chefe de pesquisas do órgão.
Estados costumam ser as únicas entidades capazes de intervir significativamente na redução da desigualdade em nível nacional, mas, para tal, necessita de dinheiro para financiar investimentos em saúde, emprego, educação ou previdência social.
Distorções
Nas últimas décadas, a elite mundial contribuiu decisivamente para o "desfinanciamento" estatal: segundo o Tax Policy Center, dos EUA, desde a década de 1970, a carga de impostos caiu para os mais ricos em 29 dos 30 países nos quais há dados disponíveis.
No mesmo período, o número de paraísos fiscais alcançou 50 a 60 jurisdições, que, segundo cálculo da revista The Economist, são o destino do equivalente a quase o dobro do PIB dos EUA.
O diretor da ONG Tax Justice Internacional, John Christensen, ilustra o impacto dos paraísos fiscais.
"No âmbito de indivíduos, a perda em receita fiscal é de cerca de US$ 225 bilhões. Em âmbito corporativo, ocorre uma distorção de preços. (Multinacionais) pagam pouco ou nada (para manter o dinheiro) no paraíso fiscal e, no país de origem, pagam menos do que deveriam porque seus ganhos ficam muito abaixo da realidade", afirmou à BBC Mundo.
Isso provoca distorções tragicômicas. Um único edifício nas ilhas Cayman, chamado de Ugland House, é a sede oficial de 18 mil empresas.
Nos Estados Unidos, Delaware, cuja população não chega a 1 milhão de pessoas, existem 945 mil empresas, mas de uma por cabeça.
E o Google faturou US$ 5 bilhões no Reino Unido em 2012, mas praticamente não pagou impostos por isso.
Políticas
A globalização financeira, a desregulação e a capacidade de mover a produção de um país a outro converteram esse poder econômico em uma força capaz de dobrar governos.
"A elite mundial está impondo políticas de Estado que lhes favoreçam", opinou Ricardo Fuentes-Nieva. "Isso produz uma 'deslegitimação' da democracia e do Estado."
O relatório da Oxfam diz que, em pesquisas conduzidas em seis países - Brasil, Espanha, Índia, África do Sul, Reino Unido e EUA -, a maioria dos entrevistados opinou que as leis tendem a favorecer os mais ricos.
A ONG fez um chamado por mais responsabilidade à elite global - chamado que, segundo Fontes-Nieva, pode ter mais apelo por conta da profundidade e da extensão de potenciais turbulências globais.
"Estamos ante um perigo de ruptura do contrato social. Desta vez, o conjunto da sociedade, inclusive a classe média, se vê afetada. Precisamos lembrar que tratam-se de políticas públicas que podem ser mudadas. Se não forem, o impacto prejudicará as próprias elites, porque a crescente exclusão de consumidores pode acabar produzindo uma sociedade economicamente doente."
Sinais de debilidade não faltam: segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT), o desemprego mundial será de 6,1% neste ano, em comparação com 5,5% em 2008. Entre os jovens, a taxa será de 13,1%.
A íntegra do relatório, em espanhol, pode ser lida aqui.