Inter 3 x 0 Figueirense

Inter 3 x 0 Figueirense
Brasileiro B 2017

segunda-feira, 19 de maio de 2014

Homenagem ao Dia das Mães na Escola Bernadina Rodrigues Padilha em Vacaria RS



Militantes Criminalizados


Compas. do movimento negro, LGBT e demais movimentos sociais.

       Desnecessário enfatizar a gravidade da situação e a possibilidade concreta de que estes lutadores sejam punidos, dentre eles, Matheus Gomes que além de dirigente da Assembleia Nacional dos Estudantes - Livre, é um dos organizadores do Quilombo Raça e Classe em Porto Alegre. A criminalização destes compas. é mais uma tentativa de intimidação diante da crescente insatisfação que vemos nas ruas, particularmente neste momento em que o governo cede aos desmandos da FIFA. Defendê-los é defender o direito de lutar e de expressar nossas opiniões.

       Junte-se à campanha. Copie o texto abaixo, envie a moção e divulgue para seus contatos.
 
       Abraços,

       Wilson H. da Silva
       Quilombo Raça e Classe (SP)

=================================
Companheiras (os),
O processo de criminalização das lutas e dos movimentos segue com toda força. Na última sexta-feira (16/05) o Juiz da 9ª Vara Criminal de Porto Alegre aceitou a denúncia do Ministério Público contra seis integrantes do Bloco de Lutas de POA que foram presos durante as manifestações de junho de 2013 na capital gaúcha. São pesadas acusações que em caso de condenação poderá resultar em pena de até 20 anos de detenção.
É fundamental e urgente que intensifiquemos a campanha em defesa dos companheiros e contra a criminalização dos movimentos. Neste sentido, a CSP-Conlutas orienta que todas as nossas entidades e movimentos enviem moções ao Juiz responsável pelo processo.
Segue abaixo um modelo de texto com os endereços para envio.
============================
MODELO DE MOÇÃO 

Excelentíssimo Juiz de Direito da 9ª Vara Criminal de Porto Alegre – RS.
Dr. Carlos Francisco Gross.

Ref.: processo n. 001/2.13.0045013-2

(Sindicato/Associação/ DCE/C.A./Gremio Estudantil / Movimento) vem solidarizar-se com os ativistas políticos  Matheus Gomes, Gilian Cidade, Rodrigo Barcellos Brizolla, Alfeu Costa Neto, Lucas Maróstica e José Vicente Mertz, integrantes do Bloco de Lutas de Porto Alegre que recentemente foram denunciados pelo Ministério Público do Rio Grande do Sul, sendo injustamente acusados de formarem associação criminosa para a prática de dano ao patrimônio público, furto e explosão.
No ano em que se completam 50 anos do golpe cívico-militar os governos e polícias voltam a atacar o movimento social que saiu às ruas para reivindicar melhores condições nos serviços públicos, tais como transporte, saúde, educação e moradia que cada vez são mais precarizados.
Supostamente um caso de polícia é na verdade uma nítida perseguição política. As investigações do Inquérito Policial 017/2013 no Rio Grande do Sul são uma tentativa de calar o descontentamento popular com a atual situação dos serviços públicos e uma restrição às liberdades democráticas de manifestação e organização.
Nesse sentido nos manifestamos contra a perseguição política aos denunciados e pelo arquivamento imediato da denúncia.
Data:
Assina: 

Enviar a moção para o seguinte e-mail: 
Com cópia para:

Homenagem ao Dias das Mães na Escola Bernadina Rodrigues Padilha



Câmara de Vereadores de Vacaria RS

Boa tarde

Os projetos abaixo foram discutidos pela primeira vez hoje e serão votados amanhã. Os projetos passaram para a Ordem do dia por solicitação do líder da bancada do PT, Valdecir Panisson. 


Projeto 51/2014 > abre crédito de R$ 5 mil para a 30ª Exposição de Cavalos Crioulos 

O vereador Osnir Domingues, PP ser pronunciou contra o projeto. Diz que a justificativa apresentada não é suficiente para a aprovação. "No que serão aplicados esses R$ 5 mil? Vacaria tem tantas necessidades. Não é porque o valor não é alto que vamos aprovar, sem mais nem menos" comentou.

Projeto 53/2014 > suplementação de R$ 500 mil para rede de computadores da Prefeitura (segurança da rede digital) 

Projeto 54/2014 > suplementação de R$ 100mil para transporte escolar de alunos no 2º e 4º Distritos. 
O projeto foi criticado pelos vereadores, inclusive da situação, pois justifica o valor alegando que uma mãe de aluno solicitou o transporte no 4º Distrito.

Estou à disposição para mais informações.

Giana Pontalti
Assessora de comunicação 

Homenagem ao Dia das Mães Escola Bernadina Rodrigues Padilha em Vacaria RS



Candomblé Alvo de Intolerância na Justiça

Até na Justiça, candomblé é alvo de intolerância


Adeptas do candomblé participam da cerimônia em Salvador
Para Justiça Federal do Rio, candomblé e umbanda deveriam ter um texto sagrado como fundamento e venerar a uma só divindade suprema.
Por Jean Wyllys
Foto: Valter Pontes/ Agecom Salvador
A intolerância religiosa e os preconceitos em relações ao candomblé e à umbanda sempre infiltraram os poderes da República e as instituições do Estado que se pretende laico. E talvez pelo fato de essa infiltração ter sido sempre negligenciada, apesar dos seus efeitos nocivos, ela tenha feito desabar um cômodo do Judiciário: a Justiça Federal do Rio de Janeiro definiu que umbanda e candomblé "não são religiões". Tal definição - que mais se parece com uma confissão pública de ignorância - se deu em resposta a uma decisão em primeira instância do  Ministério Público Federal que solicitou a retirada, do Youtube, de vídeos de cultos evangélicos neopentecostais que promovem a discriminação e intolerância contra as religiões de matriz africana e seus adeptos, já que o Código Penal, em seu artigo 208, estabelece como conduta criminosa, “escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso; vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso”.
Em vez de reconhecer a existência da ofensa - e não há dúvida para qualquer pessoa com um mínimo de discernimento e senso de justiça de que a ofensa existe - a Justiça Federal do Rio de Janeiro desqualificou os ofendidos; considerou que não "há crime se não há religião ofendida". Para tanto, a Justiça Federal do Rio conceituou umbanda e candomblé como cultos a partir de dois motivos absolutamente esdrúxulos (ou seria melhor dizer a partir de dois preconceitos?): 1) candomblé e umbanda deveriam ter um texto sagrado como fundamento (aqui a Justiça Federal ignora completamente que religiões de matriz africana são fundadas nos princípios da transmissão oral do conhecimento, do tempo circular, e do culto aos ancestrais); e 2) candomblé e umbanda deveriam venerar a uma só divindade suprema e ter uma estrutura hierárquica (aqui a Justiça Federal do Rio atualiza a percepção dos colonizadores do século XVI de que os indígenas e povos africanos não tinham fé, não tinham lei nem tinham rei). Pergunto: Há, na decisão da Justiça Federal, pobreza de repertório cultural, equívoco na interpretação da lei ou cinismo descarado?
A decisão judicial fere claramente dispositivos constitucionais e legais, além de violar tratados internacionais como a Convenção Americana sobre Direitos Humanos, conhecida como Pacto de San Jose da Costa Rica, ratificada pelo Brasil em 1992 e que dispõe sobre a garantia de não discriminação por motivo de raça, cor, sexo, idioma, religião, opiniões, políticas ou de qualquer outra natureza, origem nacional ou social, posição econômica, nascimento ou qualquer outra condição social. Esse pacto diz ainda que o direito à liberdade de consciência e de religião implica na garantia de que todos são livres para conservar sua religião ou suas crenças, ou de mudar de religião ou de crenças, bem como na liberdade de professar e divulgar sua religião ou suas crenças, individual ou coletivamente, tanto em público como em privado. A Convenção Americana sobre Direitos Humanos afirma que ninguém pode ser objeto de medidas restritivas que possam limitar sua liberdade de conservar sua religião ou suas crenças, ou de mudar de religião ou de crenças. A liberdade de manifestar a própria religião e as próprias crenças está sujeita unicamente às limitações existentes em leis e que se mostrem necessárias à proteção da segurança, da ordem, da saúde ou da liberdade.
Ou seja, se há uma liberdade religiosa a ser limitada é a daquelas religiões que usam dos meios de massa para difamar e promover a intolerância contra outras religiões e divulgam práticas que põem em risco a saúde coletiva, como pedir que pessoas abandonem tratamento de câncer ou aids em nome de orações!
Ao ratificar esse Pacto, o Brasil assumiu desde 1992 o papel de um país que tem a obrigação de respeitar direitos. Infelizmente, o Poder Judiciário, que tem a função de "dizer o direito", de aplicar as leis, assim não o fez, simplesmente negando a interpretação dos ditames constitucionais e disposições supranacionais de direitos humanos.
Já foi noticiado que o Ministério Público Federal recorreu dessa decisão, mas precisamos ficar atentos a essas manobras que perseguem, acuam e tentam destruir o que não está de acordo com o que o fundamentalismo religioso determina como correto. E não resta dúvida de que essa decisão judicial é fruto do fundamentalismo religioso que avança sobre os poderes da República. Não podemos nos esquecer de que todos estamos sob a garantia de que podemos promover reuniões livremente para realizar cultos de qualquer denominação - um direito individual e coletivo previsto na Constituição Federal, artigo 5º, inciso VI.
O ataque à umbanda e ao candomblé é também um ataque de viés racista por se tratar de religiões praticadas sobretudo por pobres e negros. Mas é, antes, uma disputa de mercado. O que os fundamentalistas pretendem com os ataques à Umbanda e ao Candomblé é atrair os adeptos - e, logo, o dinheiro deles - para suas igrejas. E como vivemos sob uma cultura cristã hegemônica, que se fez na derrisão e repressão das religiões indígenas e africanas, é óbvio que as igrejas fundamentalistas levam a melhor nessa disputa de mercado e em suas estratégias de difamação.
O que esperamos do Judiciário é o mínimo de justiça que possa colocar freios à intolerância e à ganância dessas igrejas e seus pastores; e possa assegurar a pluralidade religiosa pautada no respeito e sem hierarquias entre as religiões.

Glória 1 x 2 Riograndense SM parte 21

Homenagem ao dia das Mães Escola Bernadina Rodrigues Padilha em Vacaria RS



Glória 1 x 2 Internacional - Campeonato Gaúcho 2005

Glória 1 x 2 Riograndense SM parte 20

Desfile das Campeãs de Porto Alegre parte 63

Outras Palavras



Imagem inline 1
Boletim de Atualização - Nº 397 - 17/5/2014




Surpresa: uma tecnologia contra o capitalismo?
Multiplicam-se ferramentas que libertam seres humanos das empresas, ao permitir que produzam em colaboração direta. Quais são? Como sistema tenta sabotá-las? Por Ricardo Abramovay (Outras Palavras)

Hora de ensinar boas maneiras aos “grandes” poderes
Estados Unidos já não são capazes de impor sua ordem. Mas como evitar que seu declínio resulte num mundo caótico? PorSlavoj Zizek (Outras Palavras)

Ucrânia: quem tem medo das urnas
Ainda que imperfeito, plebiscito no Leste atestou imensa rejeição ao governo de Kiev, que Ocidente apoia. Agora, só saída negociada salvará país. Por Pepe Escobar (Outras Palavras)

Boulos, do MTST, vê Copa e direita esquizofrênica
Líder dos sem-teto alfineta: mídia e Aécio dizem defender protestos, mas atacam políticas que podem garantir direitos. Entrevisa aRodrigo Gomes, da RBA (Outras Mídias)
Velha mídia, maior partido de oposição
Governo foi tímido na questão da comunicação, e talvez Dilma esteja pagando um preço alto por isso. Mas quem perde é sociedade brasileira. Por Luís Vita (Blog)

Rio: bomba-relógio no transporte coletivo
Greve nos transportes pode ser retomada na Copa, relembra protestos de Junho e convoca: hora de romper promiscuidade entre poder público e grupos econômicos. Por Luã Braga de Oliveira (Blog)

Aumento da punição: única resposta aos adolescentes?
Duas cientistas sociais respondem a jornal gaúcho que defendeu aumento de pena para menores infratores. Por Janaína de Souza Bujes Mariana Chies Santiago Santos (Blog)
Marx Selvagem, 
deJean Tible: descolonização e antropofagiaNa perspectiva das lutas ameríndias, autor propõe deglutir clássica síntese dialética marxista para superar conceitos fixos, na contra-corrente do eurocentrismo. Por Marília Arantes (Outros Quinhentos)

Algo de Antonioni em 
Praia do FuturoTensão entre potência e vulnerabilidade, perambulação angustiada dos personagens e uso do espaço físico como elemento dramático tornam filme de Karim Aïnouz indispensável. Por José Geraldo Couto (Outras Palavras)

--
Boletim de atualização do site Outras Palavras. A reprodução é bem-vinda. Interessados em recebê-lo devem clicar aqui. Para deixar de receber, aqui. Acompanha nossas novidades também no Facebook e Twitter

_______________________________________________
Boletimdiplo mailing list
Boletimdiplo@listas.tiwa.net.br
http://listas.tiwa.net.br/listinfo/boletimdiplo
Descadastrar: envie email a Boletimdiplo-unsubscribe@listas.tiwa.net.br

Homenagem Ao dia das Mães na Escola Bernadina Rodrigues Padilha



Desfile das Campeãs de Porto Alegre parte 62

Desfile das Campeãs de Porto Alegre parte 62

Desfile das Campeãs de Porto Alegre parte 61

Facebook

Recebi uma manifestação no Facebock sendo que mencionei neste grupo o nome Maria Lima Matos Delegada da Policia Civil do Estado de São Paulo e a manifestação aconteceu por motivo da resposta que apresentei para o Profº Sergio Rossetto, fico na obrigação de colocar de conhecimento a manifestação a todos que tiveram conhecimento.

“...Na cultura brasileira, a participação é percebida de forma limitada e limitante: "seja um bom pai de família e o resto virá por acréscimo"; "seja um bom trabalhador que os outros cuidarão de sua vida"; "seja um cidadão que vota a cada quatro ou cinco anos e o Estado fará o resto"; "não participe de tudo nem busque ampliar seus compromissos; isso só lhe trará dor de cabeça!". No fundo, a mensagem conformista e excludente é essa: cuide de sua vida e esqueça-se do resto!

A resignação e o medo da participação são resultados da cultura autoritária, que perpassa nossa história e instalou-se na nossa cultura e, portanto, nos nossos próprios hábitos.

Participar, em vez de ser regra geral, tornou-se uma exceção. Temos, então, o cidadão limitado, fechado, sem iniciativa, dependente...”.
Herbert de Souza (Betinho)

Praticar o bem cabe a todos mas, infelizmente as pessoas conscientemente ou não, estão destruindo o mundo, sob a desculpa de culpar a policia, a família e assim por diante mas se for ver mesmo, é por causa do capital como se a pessoa se fizer o bem não ganha.

Facebook
Para Eu
Hoje em 12:20 PM
https://fbcdn-profile-a.akamaihd.net/hprofile-ak-frc3/t1.0-1/c23.7.84.84/s50x50/422813_107852069342826_187958079_s.jpg
Maria Lima Matos comentou uma foto que você compartilhou.
Maria escreveu: "PARABÉNS, COM LOUVORES E APLAUSOS PARA O QUERIDO AMIGO LUIZ OTÁVIO DE BRITO. GOSTEI. AMEI SUAS PONDERAÇÕES EM DEFESA DE TODOS NÓS AFRO-BRASILEIROS. O BRASIL PRECISA DE MAIS LÍDERES NEGROS DA LINHAGEM DIRETA DE ZUMBI DOS PALMARES, GUERREIROS, ESTRATEGISTAS, ARTICULADORES E CORAJOSOS. POSSO AFIRMAR , QUE SEUS ATOS TÊM DEMONSTRADO QUE VC PERTENCE A ESSA LINHAGEM .. O PROFESSOR SÉRGIO ROSSETTO SEMPRE FOI UM GRANDE ARTICULADOR E ESTRATEGISTA EM DEFESA DOS CERCA DE 48% DA POPULAÇÃO AFRODESCENDENTE NO BRASIL. HOJE, EM TESE, DEFENDE OUTRAS "BANDEIRAS" . PODEMOS CONVIDÁ-LO PARA REINTEGRAR A NOSSA LUTA, HONROSA E VALOROSA. CONTE SEMPRE, COM TODO MEU APOIO. BEJARO E ABRAÇAFRO"
Responda a este e-mail para comentar neste link.
DraMaria2.jpg

      Glória 1 x 2 Riograndense SM parte 19

      Homenagem Ao dias das Mães Escola Bernadina Rodrigues Padilha



      Glória 1 x 2 Riograndense SM parte 19

      Desfile das Campeãs de Porto Alegre parte 60

      Encontro do Ministério Público

      Profº Sergio Rosseto

      Conte comigo

      O Dr Humberto Adami já iniciou, Abraço a Joaquim Barbosa  vou começar a divulgação, como também sobre o Centro Nacional de informação e Referência da Cultura Negra.

      Estou participando no Grupo dele, temos que ir chamando a iniciativa para somatória para o desenvolvimento físico, mental, espiritual e social em condições de liberdade.

      Quem tem que agradecer sou eu embora a responsabilidade aumenta, é satisfação imensa de forma pública estar trocando mensagem com V.Sª que afirma a qualidade de contribuidor para o engrandecimento do Negro do Brasil, sensação é a mesma que esteja sendo convocado para a seleção brasileira.

      Agradeço pelo consideração.

      De: Prof Sergio Rossetto [mailto:cebratec.tecnologia@gmail.com]
      Enviada em: domingo, 18 de maio de 2014 22:00
      Para: luiz_otavio@afrodescendente.com.br
      Assunto: Re: Encontro Nacional do Ministério Público

      Caro Amigo e Grande Líder Luiz Brito!
      Agradeço vossa mensagem, admiro a sua Luta. Conte comigo para juntos nos aproximar do Presidente do "STF Joaquim Barbosa".
      O Movimento Negro que está engessado e cartilhado pela ocupação de espaço de poder no Governo do PT, não faz qualquer menção ao grande Líder  "Joaquim Barbosa". Lembra! até o Deputado Negro Edson Santos do PT-RJ, disse que "Joaquim Barbosa", é contra os Petistas. "Absurdo".
      Portanto em seus informe comece a fazer uma Campanha de valorização das atividades e atitudes do nosso Líder "Joaquim Barbosa", visando proclama-lo como nosso Líder. Só Ele poderá nos salvar a médio e longo prazo, pois tem aceitação e carisma entre os negros e não negros. Leio todas as suas matérias. Fico no Aguardo
      Abraços
       Prof Sergio Rossetto      

      Em 17 de maio de 2014 16:38, Luiz Otávio <luiz_otavio@afrodescendente.com.br> escreveu:
      Profº Sergio Rossetto
      Quando conheci V.Sª na Internet apresentou a Maria Lima Matos Delega da Policia Civil do Estado de São Paulo, autora do Projeto Afro Direitos Humanos e Cidadania para todos, na época divulgava o curso que promovia através do site do Tucanafro.
      Talvez por ter iniciado a valorização da população negra como propósito e a 30 anos, desenvolver com dedicação e V.Sª por possuir outros afazeres como professor e organizador de torcida de futebol, não tem o tempo necessário para ler as informações que diariamente tenho enviado.
      O Brasil completou 514 anos, nós da Comunidade Negra, estamos apenas 13 anos de participação, não resta dúvida que ainda por não possuirmos os recursos humanos necessários e até a falta de V.Sª pesa e muito, acredito que se teríamos dez anos para fazer valer na pratica a integração do negro, com seu afastamento da formação do grupo necessário, vai levar mais tempo, a verdade é que temos que contar com esta verdade no planejamento porque caso não tivesse planejamento, ficaria como V.Sª perdido do rumo.
      Em relação a proclamação do Presidente do STF Joaquim Barbosa, como líder, não há como impor algo sem autorização ou mesmo pretensão dele, se existe alguém que poderia levar este pedido, só conheço V.Sª. 
      Quanto aos lideres que diz que nos defendem e alega que deu apoio e tiveram oportunidade mas não fizeram nada, vendem a alma, faz parte do processo também, vivemos num país das facilidades e privilégios mas, outra verdade também esta bem esclarecida, inclusive reconhecida por V.Sª, tanto é que atualmente já podemos cantar para os “traidores” o sucesso da Clara Nunes “Lama”, até porque, esta evidente, estão “com a moral toda enterrada na lama”.
      De qualquer forma tenho que agradecer pela manifestação muito mais ainda pelo reconhecimento de V.Sª que os Negros de Santos, expõe responsabilidade, mas é necessário entender que se firmamos no autoconhecimento, até porque, impossível mudar o rumo se firmando em ego de pessoas que não dão atenção necessária.
      Hoje passei informação importante reconhecida por parte de VSª que é a identidade Negros de Santos, como parte do todo do Brasil, diferença que embora V. Sª reconhece em relação a nós, me parece que em relação a VSª ainda não coloca em pratica:
      Ser diferente é adquirir personalidade (identidade) própria sem "inflar" o ego. É encontrar o verdadeiro eu pelo caminho da autodescoberta. Rumo que vai ao encontro da afinidade coletiva pelo instrumento da consciência”.
      Receba meu abraço.
      Em 2014-05-15 11:13, Prof Sergio Rossetto escreveu:
      Olá!
      Meu Amigo Luiz Brito,
      Fico Indignado com tanta reuniões, Informes de Legado, Palestras, Conferências e etc.
      Enquanto V.Sas, não partir para um Projeto Político, Financeiro com a proclamação de um Líder não chegaremos a lugar nenhum. 
      Milito a mais de 25 anos no Movimento Negro, e todos estes líderes que estão aí dizendo que nos defendem, todos Eles tiveram a sua oportunidade, nosso apoio e não fizeram nada, pelo contrario: "Até hoje vendem Nossas Almas pro Capeta". 
      Fica como sugestão a proclamação do grande Líder Presidente do STF "Joaquim Barbosa" este sim tem competência e lisura para liderar nossos anseios, do contrário ficaremos mais pobres e esquecidos, com o avanço da miséria, violência e racismo.
      Vcs. da Comunidade de Santos são responsáveis para levar isto avante ou então continuem a nos enganar e se aproveitar das migalhas que o poder  oferecem a todos que são pagos para nos defender.  
      Contem Comigo!
      Abraços
      Prof Sergio Rossetto
      Cel Vivo 11 99870-2008
      Clube do Torcedor
      Em 14 de maio de 2014 00:46, Associação da Comunidade Negra <contato@afrodescendente.net.br> escreveu:
      Encontro Nacional do Ministério Público
      100_4902.JPGConsiderando o Encontro Nacional do Ministério Público que aconteceu em Recife – PE, como fato em relação ao combate ao racismo, estamos em um momento especial, pois os casos de discriminação estão tendo mais visibilidade. São episódios com padrões diferenciados.

      Olhando neste exato momento para atual sobre a legislação, verificamos que, no papel, os direitos fundamentais da População Negra estão garantidos e de fato.
      Mas o que constatamos na pratica, olhando atentamente à nossa volta, neste mundo de integração da população negra, se mostra bem diferente. Falhas graves no processo democrático estão perpetuando os estragos que ditaduras e monarquias do passado nos obrigavam a suportar.
      Gestores Públicos e Coordenadores da Igualdade Racial estão usando o cargo não para promover e sim para ignorar e impedir direitos e boa parte são advogados negros que tem como compromisso profissional fazer valer a legislação.
      É como registrou a Ministra da Igualdade Racial Luiza Bairros:
      “...As pessoas estão assustadas como se o racismo nunca tivesse existido. 

      No entanto, o racismo sempre existiu, trata-se de uma ideologia poderosa. A sua explicitação é resultado da luta do Movimento Negro no país e não se trata de uma piora, mas de um contexto em que passa a ter mais visibilidade.
      Medo e pessimismo não produzem ação política. São sentimentos estéreis no que se refere à possibilidade de mudança da sociedade.
      Temos que entender a complexidade de nossas tarefas e da conjuntura atual, em que o deslocamento de identidades tem evidenciado o racismo e gerado reações por parte de pessoas que não estavam acostumadas a ver os negros ocupando outros lugares na sociedade e tendo acesso a espaços que historicamente lhes foram negados...”
      Advogados, professor e inúmeros profissionais de prestigio que alegam conhecedores da história mas ignoram a história do Negro do Brasil, não estão se intimidando  e fazendo entender que ao desconsiderem a legislação vigente, estão atuando de forma duvidosa, sendo teleguiados para destruir a sociedade usando o espaço nome e imagem da População Negra.
      Vivenciar novas circunstâncias na vida que nos desafiem é sempre algo assustador, que muitas pessoas evitam deliberadamente. A insegurança vem, na maior parte das vezes, de uma falta de confiança na própria capacidade.
      Por não se julgarem aptas a enfrentar e superar o desconhecido, acabam se apegando à segurança e ao conforto do que é familiar. Entretanto, essa pseudo-segurança pode se revelar uma armadilha.
      Muito mais do que a coragem necessária para aceitarmos e mudarmos a nossa forma de vida, é preciso acreditar. Sim, acreditar que qualquer cidadão que esta voltado para a valorização da População Negra, também pode ser o que quer ser. Mas é preciso acreditar que todos possuem condições de reunir os requisitos necessários, em seu interior, para ajudar executar a mudança.
      Não podemos aceitar que prospere debates que nada tem haver com a legislação vigente e com a luta contra o racismo, debates que visam apenas desviar a atenção para deixar invisível os que estão a serviço da pratica genocídio da população negra.
      O racismo tem que ser denunciado, acontece que os militantes que sobrevive as custas de preservar o racismo esta atuando em nosso meio e pessoas aplaudindo.
      Em primeiro momento muitos de nós pensaram que as punições aos times poderiam ser mais efetivas. Mas agora, com a repetição dos casos, se pensa que o melhor realmente é procurar identificar quem praticou a discriminação. Para isso, esse exemplo mais recente da Espanha foi bastante positivo: a pessoa já foi identificada.

      Ministra Luiza Bairros
      Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República (SEPPIR).
      Esporte Espetacular maio/2014
      Clique na figura e conheça mais...