Rádio WNews

terça-feira, 24 de novembro de 2015

Glória 2 x 1 São Luiz (68)

Glória 2 x 1 São Luiz (67)

Glória 2 x 1 São Luiz (66)

Glória 2 x 1 São Luiz (65)

Glória 2 x 1 São Luiz (64)

Jogadoras do Inter de Lages SC na Seleção Brasileira Sub-17

Majhu e Pelé voltam a ser convocadas para a seleção brasileira sub-17
As atletas coloradas Maria Jhulia Azarias, a Majhu, e Kawane Luiz Ribeiro, a Pelé, foram convocadas nesta segunda-feira pela CBF para se juntar à equipe que se prepara para defender o Brasil no sul-americano sub-17 de futebol feminino. A competição - que ainda não tem local e data definidos - será disputada em 2016.
Majhu e Pelé defendem o futsal feminino do Inter de Lages, mas mais uma vez foram chamadas para a seleção de campo. Essa é a terceira convocação da atacante Majhu neste ano e a segunda da volante Pelé.
Na lista anunciada nesta segunda, o Inter de Lages é um dos três únicos clubes a ter tido mais de uma atleta convocada. Os outros dois foram o Vasco da Gama e o Valinhos (SP).
Ao todo, o técnico Luiz Antônio Ribeiro, o Luizão, convocou 24 atletas nesta segunda. Majhu, Pelé e as demais 22 jogadoras estarão com a seleção brasileira entre os dias 7 e 19 de dezembro. Os trabalhos do grupo serão no centro de treinamento da CBF localizado em Pinheiral, no Rio de Janeiro.

NO ANEXO:
- Majhu (agachada) e Pelé em quadra pelo Inter (Foto: Márcio Ávila / prefeitura de Lages)
 

Já Nascemos Mortos

Fim do Clico na Argentina

Imagem inline 1
Boletim de atualização - Nº 584 - 23/11/2015




América Latina: fim de ciclo?
Triste vitória conservadora na Argentina expõe debilidades de projeto político que marcou a região. Mas não é o fim do mundo – e talvez obrigue esquerda a saudável reinvenção… Por Alejandro Mantilla Q (Outras Palavras)

David Harvey aposta na radicalização das cidades
Entrevistado no Brasil, ele sustenta: é nos grandes centros urbanos que capitalismo contemporâneo se reproduz -- mas é de lá, também, que pode surgir uma alternativa. Por Daniel Santini, na Adital (Outras Mídias)

Economia: o mito das “decisões erradas”
Conservadores e mídia insistem que problemas do país decorrem de “erros técnicos” ou “pedaladas”. É truque rasteiro para evitar debate sobre sentido social das políticas econômicas. Por Felipe Calabrez (Outras Palavras)

A ajuda possível do ministério da Agricultura
Ministra da Agricultura não se pronunciou sobre a catástrofe em MG e no ES durante a viagem de 13 dias à Ásia, mas agora aposta na “solidariedade” das empresas do agronegócio. Por Alceu Luís Castilho (Blog do Alceu Castilho)

Quem tem medo do Direito de Resposta
Velha mídia esperneia contra novas garantias aos cidadãos -- porque acostumou-se a entregar produto precário e desonesto. Próxima batalha terá como palco o Judiciário. Por Luis Nassif, no GGN (Outras Mídias)

Facebook volta a promover censura política
Post de "Outras Palavras" bloqueado por denunciar hipocrisia do governo francês na "guerra ao terror". Veja como driblar proibição (Blog da Redação)

Para passear pelo universo criativo de Marguerite Duras
Em S.Paulo, curso percorre produção de escritora, cineasta e dramaturga que caminhou pelo feminismo, loucura e amor, sempre encantada pelo possível surgimento de nova humanidade. Membros de Outros Quinhentos têm 50% de desconto. ComMaurício Ayer (Blog da Redação)
--
Boletim de atualização do site Outras PalavrasA reprodução é bem-vinda. Interessados em recebê-lo devem clicar aqui. Para deixar de receber, aqui. Acompanhe nossas novidades também no Facebook


_______________________________________________
Boletimdiplo mailing list
Boletimdiplo@listas.tiwa.net.br
https://listas.tiwa.net.br/listinfo/boletimdiplo
Descadastrar: envie email a Boletimdiplo-unsubscribe@listas.tiwa.net.br

105 Anos da "Revolta da Chibata"


105 anos da “Revolta da Chibata”

Há muito tempo nas águas da Guanabara
O dragão do Mar reapareceu
Na figura de um bravo marinheiro
A quem a história não esqueceu
Conhecido como Almirante Negro
Tinha a dignidade de um mestre-sala
(...) Rubras cascatas
Jorravam nas costas dos negros
Pelas pontas das chibatas
(...) Salve o Almirante Negro
Que tem por monumento
As pedras pisadas no cais.
                  João Bosco e Aldir Blanc

Às 22h55min do dia 22 de novembro de 1910 – há exatos 100 anos – ecoaram na Baía da Guanabara os tiros dos canhões da poderosa Armada do Brasil, recentemente renovada na Inglaterra com as mais mortíferas belonaves do mundo. Entre os navios rebelados estavam os poderosos dreadnoughts Minas Gerais e o São Paulo, encouraçados pesados de última geração, armados com canhões de grande alcance e enorme poder destrutivo.
No elegante Clube da Tijuca, a nata da sociedade carioca participava de uma luxuosa recepção, promovida pelo recém empossado presidente da República – o marechal Hermes da Fonseca.
Os telégrafos funcionam freneticamente dando notícias desencontradas, até que os primeiros oficiais e sub-oficiais fugidos desembarcam no cais e relataram que os marinheiros – em sua imensa maioria negros – haviam se apossado pela força dos navios e assumido o seu comando. A revolta teria causado a morte de diversos oficiais e marinheiros. O chefe dos revoltosos – o marinheiro de 1ª classe João Cândido Felisberto, gaúcho de Encruzilhada do Sul –, manobrava a esquadra, com a maestria de um Almirante e ameaçava bombardear a capital da República, caso as suas reivindicações não fossem atendidas.
E quais eram, 22 anos após a abolição da escravidão, as reivindicações dos marinheiros rebelados?
Exigiam que o Presidente da República pusesse fim à chibata e aos castigos físicos na Marinha, houvesse tratamento digno aos marinheiros, soldos justos e anistia aos revoltosos: “Nós marinheiros, cidadãos brasileiros e republicanos, não podendo mais suportar a escravidão na Marinha Brasileira (...) que durante vinte anos de República ainda não foi bastante para tratar-nos como cidadãos fardados em defesa da pátria (...) que V. Excia. faça (...) reformar o Código Imoral e Vergonhoso que nos rege, a fim de que desapareça a chibata, o bolo e outros castigos semelhantes; aumentar o nosso soldo (...) Tem V. Excia o prazo de 12 horas para mandar-nos a resposta satisfatória, sob pena de ver a Pátria aniquilada.”
Antecedentes
O Brasil foi o último do mundo a abolir a escravidão, mas isso não significou uma verdadeira libertação do povo negro. Excluídos do direito à propriedade pela “Lei das Terras” de 1850, excluídos do trabalho livre pela imigração européia e por políticas racistas que pregavam o “branqueamento” da população brasileira, despossuídos dos mais elementares direitos civis, os negros sobreviveram na periferia dos centros urbanos ou em áreas rurais marginais, em condições de subemprego crônico.
Na Marinha Brasileira, a oficialidade, era toda ela branca, sem exceção, e provinha de famílias oligárquicas, até bem pouco escravocratas. Já os marujos, na imensa maioria, cerca de 90%, eram negros, mulatos ou mestiços recrutados à força entre as camadas mais pobres da sociedade, muitos retirados das prisões. Assim – apesar de terem decorrido décadas desde a abolição –, as relações entre os oficiais e os marinheiros continuavam reproduzindo as relações das senzalas e o uso da chibata para o castigo dos marinheiros era visto como algo normal.
É verdade que logo após a proclamação da República, havia sido editado o decreto nº 3, em 16 de novembro de 1889, abolindo os castigos corporais nos navios de guerra. Mas, em 12 de abril de 1890, o decreto nº 328 reintroduziu a chibata na Marinha, através da chamada Companhia Correcional, no que eram enquadrados os marinheiros considerados “indisciplinados”. Seu artigo 8º determinava: “Para as faltas leves, prisão e ferro na solitária, a pão e água; faltas leves repetidas, idem, idem por seis dias; faltas graves, 25 chibatadas.” É desnecessário dizer que esse número não era respeitado, ficando ao arbítrio do comandante a sua quantidade, que em geral excedia em muito o prescrito.
Um episódio, aparentemente trivial, espelha bem o recorte racial e de classe existente na Marinha Brasileira da época. Tão logo ingressou na Marinha, João Cândido Felisberto teve que abrir mão do nome Felisberto, pois havia um suboficial com o mesmo nome, que não aceitava ser confundido com um negro...
É essa realidade anacrônica que entra em choque, no início do século XX, com a modernização da Marinha. De fato, em 1906, em um ambicioso plano de modernização de sua Armada, o governo brasileiro encomendou da Inglaterra dois grandes encouraçados – oMinas Gerais e o São Paulo – três cruzadores, seis contratorpedeiros, seis torpedeiros, seis torpedeiros menores, três submarinos e um navio carvoeiro, tornando-se a terceira mais poderosa marinha de guerra do mundo.
Para aprender o manejo desses modernos navios, centenas de marujos brasileiros – entre eles João Cândido Felisberto, já então marinheiro de 1ª classe – foram enviados em 1908 para os estaleiros de New Castle, na Inglaterra, onde passaram a conviver com marinheiros de todo o mundo e tiveram contato com as idéias avançadas da classe operária européia. Da mesma forma, tomaram conhecimento da revolta do encouraçado Potenkim – ocorrida em 1905, na frota do Mar Negro. Todas essas experiências inspiraram a sua decisão de lutar por condições dignas de vida e de trabalho na Marinha Brasileira. O próprio João Cândido confirmou, anos depois, que a preparação da Revolta da Chibata teve início na Inglaterra.
A Revolta
De volta ao Brasil, no início de 1910, João Cândido passou a articular a revolta junto com Francisco Dias Martins, o “Mão Negra”, tendo como principais reivindicações a abolição da chibata, a melhoria da alimentação e a elevação dos soldos. O país vivia os rescaldos da campanha presidencial que dividira o país entre os partidários do Marechal Hermes da Fonseca – o vencedor – e o civilista Rui Barbosa.
Inicialmente, a revolta foi marcada para o dia 15 de novembro, mas um forte temporal nesse dia fez com a mesma fosse adiada para 24 ou 25 de novembro. Um acontecimento inesperado, porém, antecipou a deflagração do movimento.
No dia 16 de novembro, o marinheiro Marcelino Rodrigues de Menezes – do encouraçado Minas Gerais – foi retalhado por 250 chibatadas, por haver ferido levemente, com uma navalha de barbear, o cabo Valdemar de Sousa que lhe denunciara por haver tentado introduzir duas garrafas de aguardente no navio. Com requintes de selvageria e perante toda a tripulação reunida para assistir o castigo, Marcelino foi açoitado até perder os sentidos. Reanimado à força, o castigo prosseguiu, até quase a morte. Dias depois, quando o Comandante José Carlos de Carvalho visitou o encouraçado Minas Gerais, para negociar o fim da revolta, afirmou: “as costas desse marinheiro assemelhavam-se a uma tainha lanhada para ser salgada”.
Naquela noite, nos porões do encouraçado, os marinheiros juraram que isso teria fim e que Marcelino seria o último marinheiro chibatado. A revolta foi antecipada para a noite do dia 22 de novembro, quando fosse dado o toque de recolher. Como disse João Cândido, anos depois: “Naquela noite o clarim não pediria silêncio e sim combate!
E assim foi. Às 22h55min do dia 22 de novembro explodiu a insurreição a bordo do encouraçado Minas Gerais. O Comandante João Batista das Neves e dois oficiais que resistiram foram mortos, os demais aprisionados. Pouco depois, a guarnição do São Paulo também se sublevou e forçou os oficiais a abandonarem o navio. Não houve mortes. Mas, no cruzador Bahia, a luta também cobrou vítimas. Às 22h50, quando o Minas Gerais disparou um tiro de canhão para comunicar-se com os navios comprometidos com a rebelião, o São Pauloe o Bahia responderam. Pouco depois, o encouraçado Deodoro, mais antigo, também respondeu.
A revolta havia sido vitoriosa. Os rebeldes dominavam os navios mais poderosos e controlavam a baía da Guanabara, na capital da República. As tripulações dos navios menores haviam sido transferidas para esses quatro navios – onde tremulava a bandeira vermelha – para fortalecer a sua capacidade de combate. As baterias de terra e os poucos navios fiéis ao governo permaneciam silenciosos diante do poderio esmagador da frota insurreta. O Rio de Janeiro estava à mercê dos rebeldes. A esquadra rebelada manobrava – dirigida por João Cândido e seus marinheiros – com grande habilidade, sem qualquer oficial a bordo.
Surpreendido pelos acontecimentos, o Presidente Hermes da Fonseca retornou ao Palácio do Catete, tomando conhecimento da primeira mensagem dos rebeldes: “Não queremos a volta da chibata. Isso pedimos ao Presidente da República, ao Ministro da Marinha. Queremos resposta já e já. Caso não tenhamos, bombardearemos cidade e navios que não se revoltarem.” Sem meios para resistir à revolta, Hermes da Fonseca não sabia o que fazer.
O Senador Pinheiro Machado, homem forte do governo, enviou o deputado Federal pelo Rio Grande do Sul – Comandante retirado José Carlos de Carvalho – para parlamentar com os marujos. Ao voltar de sua missão, Carvalho prestou um depoimento ao Congresso que estarreceu a nação, mostrando o barbarismo com que os marinheiros eram tratados.
Em suas proclamações, os revoltosos deixam claro o motivo central da luta: “Por isto, pedimos a V.Excia. abolir o castigo da chibata e os demais bárbaros castigos pelo direito de nossa liberdade, a fim de que a Marinha Brasileira seja uma Armada de cidadãos e não uma fazenda de escravos que só têm dos seus senhores o direito de serem chicoteados.
Nesse contexto, coube ao Senador Rui Barbosa apresentar um projeto de anistia aos insurretos, à qual se somariam o compromisso do fim do castigo da chibata e a melhoria das condições de trabalho na Marinha. Depois de um intenso debate – onde alguns parlamentares questionaram sua concessão antes que os rebeldes depusessem as armas – a anistia foi aprovada com rapidez, tanto no Senado como na Câmara dos Deputados. Concluída a votação da anistia e anunciado pelo Governo o fim dos castigos físicos na Marinha, no dia 26 de novembro a bandeira vermelha foi arriada dos navios e os mesmos foram entregues em perfeita ordem aos novos comandantes.
A anistia traída e a vingança contra os revoltosos
Ainda não havia secado a tinta com que havia sido assinada a anistia e já as oligarquias dominantes começaram a tramar a repressão aos anistiados. No mesmo dia 26, o Comandante do cruzador Bahia enviou correspondência indicando 10 nomes que deveriam ser expulsos da Marinha. No dia 27, os canhões dos navios foram desativados e as munições desembarcadas. No dia 28 o decreto nº 8.400 autorizou a expulsão da Marinha de qualquer marinheiro “cuja permanência se tornar inconveniente à disciplina”.
Mas o pior ainda estava por vir. No dia 9 de dezembro, depois de ampla difusão do boato de que o exército invadiria os navios e as bases navais para massacrar os marinheiros, teve início uma revolta no Batalhão Naval da ilha das Cobras e no cruzador ligeiro Rio Grande do Sul, sem a participação de João Cândido e seus seguidores. Isolados, os revoltosos foram dizimados, apesar de hastearem a bandeira branca. Em seguida, o governo se valeu do acontecido para obter a aprovação do Estado de Sítio e deflagrar a repressão aos anistiados.
Na noite de Natal, mais de uma centena de marinheiros foi jogada no cargueiro Satélite, do Lóide Brasileiro, com destino a Santo Antônio da Madeira e Linha Telegráfica, na Amazônia. No caminho, muitos foram fuzilados. Os demais, ao chegarem na Amazônia, foram sendo entregues, ao longo do rio, a seringueiros que necessitavam de mão-de-obra. A maioria acabou morrendo de doenças tropicais ou na semi-escravidão. Referindo-se a esses fatos, Edmar Morel – o escritor que descobriu João Cândido no fim de sua vida e o livro A revolta da Chibata – denuncia: “Ganhei o original de um documento inédito. O relatório do comandante Carlos Storryu, do Satélite, cargueiro em que foram fuzilados diversos marinheiros anistiados, alguns com os pés e mãos algemados.
No início de 1911, outros 2.000 marinheiros foram expulsos da Marinha.
João Cândido e outros 17 líderes – mesmo não tendo qualquer envolvimento com essa segunda revolta – foram encerrados em uma masmorra sem ventilação e asfixiados com cal viva, lançada sobre eles. Dezesseis morreram, só João Cândido e “Pau de Lira” sobreviveram. Alquebrado, João Cândido foi internado no Hospital de Alienados e dado como louco.
Analisando essa traição, Evaristo de Moraes Filho, no prefácio à terceira edição de A Revolta da Chibata, afirma: “A verdade é que a anistia que fora concedida pelo governo num momento de pânico e de medo, nunca chegou realmente a ser aplicada. Refeito do susto, o governo prendeu, deportou, massacrou os participantes da revolta, com requintes de barbaridade e de vingança tardia.
Perseguido até a morte
Quando recebeu alta do Hospital de Alienados, João Cândido foi novamente encerrado em uma prisão, onde permaneceu por 18 meses aguardando julgamento. Sem recursos para contratar um advogado, foi defendido por Evaristo de Moraes, contratado pela Irmandade da Igreja Nossa Senhora do Rosário, o qual se negou a receber qualquer remuneração pelo seu trabalho. Só em 1912, João Cândido foi julgado e absolvido. Tão logo saiu da prisão, com os pulmões tomados pela tuberculose, foi expulso da Marinha.
Desempregado e com a saúde abalada, buscou algum trabalho para sobreviver. Inicialmente, tentou emprego no Lóide Brasileiro, mas nada conseguiu. Na Costeira, a resposta também foi negativa. Depois de muito caminhar, conseguiu trabalho no patacho Antonico. Mas pouco tempo depois foi demitido por pressão da Marinha. Conseguiu emprego no barco Ramona, depois no Ana, mas sempre acabava demitido. Vítima permanente de perseguição, o “Almirante Negro” – que conseguira a proeza de manobrar com maestria as mais modernas e poderosas belonaves – teve de desistir de ser marinheiro. Foi convidado para trabalhar como “tira”, mas recusou com altivez. Preferiu sobreviver vendendo peixe no cais do porto.
Alguns anos depois, foi descoberto pelo escritor comunista Edmar Morel, que, com base em longas conversas com ele, foi o primeiro a relatar a epopéia dos marinheiros rebelados em seu livro A Revolta da Chibata, publicado em 1963. Não por acaso, Edmar Morel será punido com a dispensa compulsória e a cassação de seus direitos políticos pelo golpe de 1964.
Durante o Governo Goulart, João Cândido recebeu uma humilde pensão, mas esta lhe foi retirada pela ditadura militar. O “Almirante Negro” veio a falecer em 1969, aos 89 anos de idade, em situação de penúria
Em 24 de julho de 2008, o Presidente Lula sancionou a Lei 11.756/08, concedendo a anistia póstuma a João Cândido Felisberto e a seus companheiros de rebelião. E, em 20 de novembro de 2008, o “Almirante Negro” teve a sua estátua inaugurada na Praça Quinze, no Rio de Janeiro, com a presença de Luís Inácio Lula da Silva.
Ainda que ignorado pela maioria dos historiadores oficiais, a sua luta mudou o Brasil e fez com que nunca mais qualquer marinheiro brasileiro sofresse a infâmia da chibata. João Cândido Felisberto viverá para todo o sempre na memória do povo brasileiro e seu exemplo germinará nas novas gerações de combatentes pela Liberdade e pelo Socialismo!

Raul Carrion - 22.11.2015
José Antonio dos Santos da Silva
Ubuntu.
Militante do Movimento Social Negro e dos Direitos Humanos.
Acadêmico de Direito - Estácio/FARGS-RS
+ 55 51 80208344 - Vivo - WhatsApp
+ 55 51 82490039 - TIM - WhatsApp
+ 55 51 94225905 - Claro
+ 55 51 84527439 - Oi
Skype: jass_rs
Twitter: @JASSRS62
Facebook: www.facebook.com/jose.a.silva.336 - Perfil 01.
__._,_.___

Enviado por: =?UTF-8?Q?Jos=C3=A9_Antonio_dos_Santos_da_Silva?=

Sessão da Câmara de Vereadores de Vacaria RS (3)

Vitória do Movimento Negro dia 20 de Novembro Feriado em Porto Alegre RS


24/11/2015 08h32  - Atualizado em  24/11/2015 08h32

Câmara aprova data para feriado da Consciência Negra em Porto Alegre

Para passar a vigorar no dia 20 de novembro, prefeito precisa sancionar.
Proposta foi votada na Câmara Municipal a tarde de segunda-feira (23).

Do G1 RS
FACEBOOK
Votação foi comemorada no plenário da Câmara de Porto Alegre (Foto: Guilherme Almeida/CMPA)Votação foi comemorada no plenário da Câmara de Porto Alegre (Foto: Guilherme Almeida/CMPA)
Foi aprovado em votação na câmara Municipal o dia 20 de novembro como feriado da Consciência Negra e da Difusão da Religiosidade em Porto Alegre. A proposta foi votada na tarde de segunda-feira (23), com presença de público. Com cartazes, eles se dividiam nas galerias entre favoráveis e contrários.
A data foi consolidada com a derrubada de emenda que transformava o feriado em data móvel, no terceiro domingo do novembro. Os parlamentares tiveram 28 votos contrários à emenda, três favoráveis e uma abstenção do vereador Idenir Cecchim (PMDB).
A proposta aprovada substitui, somente na lei municipal que fixa os feriados em Porto Alegre, a data de 2 de novembro – Dia de Finados – pelo 20 de novembro, que homenageia o Dia da Consciência Negra. Segundo o vereador Delegado Cleiton (PDT), o Dia de Finados continuará sendo feriado em Porto Alegre, mas determinado apenas pela lei federal, não mais por lei municipal.
Agora, o projeto segue para sanção do prefeito José Fortunati.
Grupo acompanhou votação na Câmara de Vereadores de Porto Alegre (Foto: Guilherme Almeida/CMPA)Grupo acompanhou votação na Câmara de Vereadores de Porto Alegre (Foto: Guilherme Almeida/CMPA)

José Antonio dos Santos da Silva
Ubuntu.
Militante do Movimento Social Negro e dos Direitos Humanos.
Acadêmico de Direito - Estácio/FARGS-RS
+ 55 51 80208344 - Vivo - WhatsApp
+ 55 51 82490039 - TIM - WhatsApp
+ 55 51 94225905 - Claro
+ 55 51 84527439 - Oi
Skype: jass_rs
Twitter: @JASSRS62
Facebook: www.facebook.com/jose.a.silva.336 - Perfil 01.
__._,_.___

Enviado por: =?UTF-8?Q?Jos=C3=A9_Antonio_dos_Santos_da_Silva?=

Geledés

Você está recebendo as atualizações do Portal Geledés.
Portal Geledés
Para sair desta lista, clique aqui.

Geledés

Em defesa dos direitos humanos. Combate ao racismo, preconceito, discriminação e violência contra a mulher.

Você Não Sabe O Que É Ser Preto – Elisa Fernandes

Like Você Não Sabe O Que É Ser Preto – Elisa Fernandes on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
Você Não Sabe O Que É Ser Preto – Elisa FernandesVocê Não Sabe O Que É Ser Preto (Elisa Fernandes) Enviado por Matheus Prevot via Guest Post para o Portal Geledés  enquanto tu carrega cocaína no jatinho morre um preto enquanto tu se muda pra miami tão matando um outro preto. outro preto? ninguém é santo. não tô falando de santo enquanto tu assiste a tua […] Leia mais »

Dandara vive – por Maria Carolina Trevisan

Like Dandara vive – por Maria Carolina Trevisan on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
Dandara vive – por Maria Carolina TrevisanCom a mesma força com que lutou e resistiu Dandara, a companheira de Zumbi dos Palmares, a histórica Marcha das Mulheres Negras levou milhares de mulheres à capital do país. A manifestação pauta as demandas do movimento de mulheres negras para os próximos 20 anos e mostra que é preciso um novo pacto civilizatório. São […] Leia mais »

Jovens, negras da periferia: elas são o que querem ser!

Like Jovens, negras da periferia: elas são o que querem ser! on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
Jovens, negras da periferia: elas são o que querem ser!Por Nayra Lays, 17 anos, moradora do Grajaú, São Paulo. do Brasil Post  Gabriela e Renata são jovens, negras, de periferia, universitárias, ativistas e querem que outras como elas entendam o significado do que elas são. “Não como a TV fala, mas como é, que você pode ser linda, pode ser o que você quiser”, […] Leia mais »

Jovens no Brasil trabalham mais e estudam menos, mostra relatório da OCDE

Like Jovens no Brasil trabalham mais e estudam menos, mostra relatório da OCDE on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
Jovens no Brasil trabalham mais e estudam menos, mostra relatório da OCDEO Brasil tem o maior índice de jovens que não estão estudando, em comparação com os países da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) e parceiros, diz o relatório Education at a Glance 2015: Panorama da Educação, lançado mundialmente hoje (24). Os dados mostram que no Brasil 76% dos jovens entre 20 […]Leia mais »

Por quê, irmãos? por quê?

Like Por quê, irmãos? por quê? on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
Por quê, irmãos? por quê?por que os negros são identificados como descendentes de escravos e os brancos nunca são chamados de descendentes de escravizadores? Enviado por Lelê Teles via Guest Post para o Portal Geledés  hummmm, por essa você não esperava, hein? aí tem coisa, você dirá. e tem mesmo, e essa coisa chama-se discurso. e na ordem do discurso, […] Leia mais »

Walmart é condenado por racismo contra ex-empregada

Like Walmart é condenado por racismo contra ex-empregada on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
Walmart é condenado por racismo contra ex-empregadaA Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho manteve decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS) que condenou o WMS Supermercado do Brasil Ltda. (Walmart) a indenizar em R$ 7 mil uma ex-empregada que sofreu discriminação racial. Ela teria sido alvo de atitudes e comentários preconceituosos da chefe, que prometia tirar “todos […] Leia mais »

Frágil

Like Frágil on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
FrágilO que vou contar aconteceu ontem mesmo. Começou com manhã nublada numa avenida Paulista estranhamente livre para às 7h de uma segunda. Oba! pensei. Está parecendo que tudo vai dar certo hoje. Foi com espírito leve que entrei no hospital para realizar uma biopsia da tireoide orientada por ultrassonografia. Dias atrás ao marcar o exame, […] Leia mais »

Brasil ocupa 6º lugar em avaliação sobre disparidade salarial entre gêneros

Like Brasil ocupa 6º lugar em avaliação sobre disparidade salarial entre gêneros on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
Brasil ocupa 6º lugar em avaliação sobre disparidade salarial entre gênerosO Brasil tem uma das maiores diferenças entre salários de homens e mulheres com o mesmo nível de formação analisadas no relatório Education at a Glance 2015: Panorama da Educação, lançado mundialmente hoje (24). A renda média de uma mulher com educação superior no país representa cerca de 62% da renda média de um homem com […] Leia mais »

O conferencismo e o marchismo como formas de lutas políticas

Like O conferencismo e o marchismo como formas de lutas políticas on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
O conferencismo e o marchismo como formas de lutas políticasAconteceu em Brasília, em 18 de novembro, a Marcha das Mulheres Negras contra o Racismo e a Violência e pelo Bem Viver 2015, com cerca de 50 mil participantes, evento tecido durante três anos. É a primeira marcha das negras brasileiras. Por: Fátima Oliveira, do O TEMPO Ocorrerá em Brasília, de 1º a 4 de dezembro […] Leia mais »

Cariocas convocam boicote a restaurante onde gerente ofereceu banana a entregadores negros

Like Cariocas convocam boicote a restaurante onde gerente ofereceu banana a entregadores negros on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
Cariocas convocam boicote a restaurante onde gerente ofereceu banana a entregadores negrosCariocas criaram dois eventos no Facebook, convocando para boicotes ao restaurante Garota da Tijuca, no bairro do mesmo nome, na Zona Norte do Rio. Na última sexta-feira, o gerente do estabelecimento, Ascendino Correa Leal, de 68 anos, foi preso, acusado de ter oferecido bananas a entregadores negros. Segundo testemunhas, o acusado teria dito ainda que […] Leia mais »

Deputado quer que injúria racial passe a ser considerada crime de racismo

Like Deputado quer que injúria racial passe a ser considerada crime de racismo on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
Deputado quer que injúria racial passe a ser considerada crime de racismoWadih Damous (PT-RJ) quer acabar com dupla interpretação do judiciário Por Lúcia Rodrigues, do Caros Amigos  O deputado Wadih Damous (PT-RJ) apresentou na tarde desta terça, 17, em Brasília, projeto de lei que unifica a interpretação sobre o crime de racismo. “Hoje temos a lei do racismo que tipifica o racismo e o Código Penal que […] Leia mais »

Secretaria da Educação exclui de avaliação estudantes de escolas ocupadas em SP

Like Secretaria da Educação exclui de avaliação estudantes de escolas ocupadas em SP on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
Secretaria da Educação exclui de avaliação estudantes de escolas ocupadas em SPPara alunos e professores, avaliação perderá “legitimidade”, já que nem todos os estudantes farão a prova por Cida de Oliveira, da RBA A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo anunciou hoje (23) a decisão de cancelar a aplicação das provas do Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar de São Paulo (Saresp) nas escolas […] Leia mais »

Entregadores receberam bananas pelo Dia da Consciência Negra

Like Entregadores receberam bananas pelo Dia da Consciência Negra on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
Entregadores receberam bananas pelo Dia da Consciência NegraHomem é preso após “homenagear” entregadores negros com bananas. “Em pleno Dia da Consciência Negra, fiquei tão chateado que nem consegui dormir”, desabafou uma das vítimas. Agressor é gerente do restaurante Garota da Tijuca, no Rio de Janeiro no DCM Um gerente do restaurante Garota da Tijuca, na Zona Norte do Rio, foi preso por […] Leia mais »

O que Holiday, o negro do MBL, pode aprender com a surra que levou da polícia

Like O que Holiday, o negro do MBL, pode aprender com a surra que levou da polícia on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
O que Holiday, o negro do MBL, pode aprender com a surra que levou da políciaFernando Holiday, o negro que odeia negros e é uma das lideranças do grupo golpista MBL (Movimento Brasil Livre), foi eternizado em uma foto onde aparece dominado por um grupo de policiais. O flagrante aconteceu durante a desocupação do gramado em frente ao Congresso Nacional, onde Holiday e seus asseclas acampavam pelo impeachment da presidente […] Leia mais »

Frente de Mídias Negras de SP convida para o Seminário Novas Mídias e a Questão Racial

Like Frente de Mídias Negras de SP convida para o Seminário Novas Mídias e a Questão Racial on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
Frente de Mídias Negras de SP convida para o Seminário Novas Mídias e a Questão RacialA partir da reivindicação da Frente de Mídias Negras de SP, a SMPIR-SP promoverá, nesta terça feira (24/11), o Seminário Novas Mídias e a Questão Racial. O evento será na Sede da SMPIR entrada pelo Vale do Anhangabaú, 350, 6o. Andar.  A ideia é que possamos discutir a importância da organização negra também a partir […] Leia mais »

Menina sofre racismo em escola do AC e não quer mais ir à aula, diz tia

Like Menina sofre racismo em escola do AC e não quer mais ir à aula, diz tia on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
Menina sofre racismo em escola do AC e não quer mais ir à aula, diz tiaTia diz que escola não deu atenção ao caso e tratou como ‘besteira’. Diretor diz que trata o caso com seriedade e que alunas foram ouvidas.  Por Iryá Rodrigues, do G1 Uma menina, de 10 anos, perdeu a vontade de ir à escola, após suspostamente sofrer ofensas racistas feitas pelas colegas de classe, em Rio […] Leia mais »
Copyright © 2015 geledes
Você está recebendo esta mensagem porque se inscreveu no Portal Geledés.

geledes
Rua Santa Isabel 137 - 4º andar
São PauloSP 01221-010
Brazil

Add us to your address book


sair desta lista    atualizar preferências