Grêmio 1 x 0 Botafogo

Grêmio 1 x 0 Botafogo
Libertadores 2017

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Bela Imagem do Facebook


23 ª CRE no Outubro Rosa

23ª CRE PARTICIPA DA CAMPANHA OUTUBRO ROSA!!!!
A Coordenadoria de Educação de Vacaria par"cipa da Campanha Outubro Rosa - Prevenção do
Câncer de Mama, lançada pela Liga Feminina de Combate ao Câncer de Vacaria, no mês de
Outubro de 2016.
O obje"vo dessa Campanha é conscien"zar as mulheres quanto aos cuidados da saúde da
mama e um movimento para o diagnós"co precoce contra a mortalidade por câncer.


“Mulher que se ama se cuida!”

Evolução Demográfica

Evolução demográfica recente da população brasileira; 1995 - 2012


O artigo apresenta dados referentes a evolução demográfica recente da população brasileira: 1995 - 2012. Segundo esses dados os negros (pretos e pardos) representavam 53% da população brasileira. A partir desses dados são indicados o acesso dessa população ao sistema de ensino, ao mercado de trabalho, intensidade da pobreza, mortalidade materna e homicídios.

Os dados foram produzidos pelo Laeser/UFRJ e escritos por Marcelo Paixão, Professor do Instituto de Economia/UFRJ e coordenador do Laeser. 

Devem ser considerados ao pensarmos um Projeto para o Brasil.

Flávio Jorge
Coordenador do GT Combate ao Racismo e Igualdade Racial

 

Escola Sem Mordaça

MANIFESTO FRENTE GAÚCHA ESCOLA SEM MORDAÇA
A Frente Gaúcha Escola sem Mordaça, composta por entidades representativas de educadores e educadoras, estudantes, comunidade escolar, profissionais atuantes na cultura, na pesquisa, na comunicação, no direito, em ações comunitárias e por movimentos sociais, constitui-se como um espaço coletivo suprapartidário e plural, em defesa da democracia e da justiça social, repudiando os projetos de lei Escola sem Partido, a terceirização e a privatização da Educação Pública.
A Frente considera fundamental o processo de escolarização da população brasileira, intensificado a partir da democratização do país, e posiciona-se em defesa das conquistas dos movimentos sociais inscritas na Constituição Federal de 1988 e na legislação subsequente, e que visam reparar um processo histórico socialmente excludente, bem como prevenir a violação aos direitos humanos.
A Frente defende a manutenção e o respeito à Constituição Federal, que em seu Art. 5º garante a liberdade de expressão e no Art. 206 estabelece, dentre outros, os seguintes princípios para a Educação no país: I - igualdade de condições para o acesso e permanência na escola; II - liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a arte e o saber; III - pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas, e coexistência de instituições públicas e privadas de ensino. Defende-se também o cumprimento integral do Art. 53 do Estatuto da Criança e do Adolescente, que prevê que “a criança e o adolescente têm direito à educação, visando ao pleno desenvolvimento de sua pessoa, preparo para o exercício da cidadania e qualificação para o trabalho”. Além disso, propõe a consolidação de processos educacionais democráticos que incluem:
·     a liberdade de expressão dos professores, dos servidores e dos estudantes no ambiente escolar e no espaço público;
·     o estudo de temas relacionados às desigualdades socioeconômicas, à sustentabilidade socioambiental e às violações dos direitos humanos, tais como as discriminações e violências étnico-raciais e de gênero;
·     a implantação e a ampliação de políticas de ações afirmativas para a promoção da equidade étnico-racial e de gênero nas instituições de ensino e na sociedade;
·     o oferecimento de matérias científicas associadas à saúde sexual e reprodutiva, bem como à evolução biológica, de forma a promover o conhecimento necessário à sustentabilidade socioambiental e à transformação de uma realidade desigual, injusta e excludente;
·     uma escola pública, gratuita e laica, bem equipada e com equipe profissional capaz de promover o desenvolvimento pleno dos educandos, aprendizagens, acesso ao patrimônio científico-cultural e tecnológico, bem como o exercício pleno da cidadania;
·     a constituição de ambiente de respeito mútuo e de promoção de relações interpessoais de confiança visando a saúde nas instituições educacionais;
·     a gestão democrática das instituições de ensino por meio de eleição das equipes diretivas pelas comunidades de professores, servidores, estudantes e seus responsáveis.
A Frente Gaúcha Escola sem Mordaça adere à luta da Frente Nacional Escola sem Mordaça, que repudia e solicita o arquivamento de projetos de lei no Senado Federal e na Câmara dos Deputados, protocolados por defensores do Movimento Escola sem Partido:  Projeto de Lei nº 7.180/2014 (e demais projetos a ele apensados) e do  Projeto de Lei do Senado nº 193/2016; Projeto de Lei nº 1.411/2015, que tipifica assédio ideológico. Na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, a Frente Gaúcha Escola sem Mordaça solicita o arquivamento do  Projeto de Lei nº 190/2015, que representa no Estado o programa Escola sem Partido; solicita também o arquivamento dos projetos municipais correlatos.
Tais projetos de lei, inconstitucionais, buscam produzir uma escola sem reflexão crítica sobre a realidade, impedir a formação para a cidadania e a liberdade de expressão no exercício profissional, incentivando a delação anônima de professores por estudantes e familiares e a coação por meio de notificações extrajudiciais, que ameaçam os docentes com processos de perda do direito ao exercício profissional, perda patrimonial e prisão. Esses projetos pretendem constituir uma única forma de pensar, impedindo a pluralidade de ideias própria à educação pública.
EDUCAÇÃO PLURAL NA CONSTRUÇÃO DA DEMOCRACIA

Assine nosso Manifesto no link abaixo:

José Antonio dos Santos da Silva
Ubuntu.
Militante do Movimento Social Negro e dos Direitos Humanos.
Acadêmico de Direito - Estácio/FARGS-RS
+ 55 51 80208344 - Vivo - WhatsApp
+ 55 51 82490039 - TIM - WhatsApp
Skype: jass_62
Twitter: @JASSRS62
Facebook: www.facebook.com/jose.a.silva. 336 - Perfil 01.

Coletivo de Entidades Negras

Antes de qualquer coisa é importante destacar que esta reflexão é feita a partir do campo daqueles que se organizam para combater o racismo e suas consequências e que, portanto, situam-se num espectro da política de âmbito popular e progressista.
Isto posto, é essencial partir da constatação que não se pode negar a flagrorosa e acachapante derrota sofrida pelo nosso segmento nestas eleições.Tentar mascarar a derrota só fará aumentar a dificuldade de se buscar alternativas para minimizar esse prejuízo nos pleitos futuros.
Dizer que o povo votou mal é equivocado e simplista, pressupõe uma lógica arrogante que o povo só vota certo quando vota conosco e somos radicais defensores da manifestação do desejo e do respeito ao voto popular.
A derrota sofrida pelo campo da esquerda reflete uma onda conservadora que está a mover-se por todo o globo, havendo, onde chega, a fusão dos interesses empresariais, financeiros, midiaticos entre outros que seguem algumas características locais mas que sempre se pautam na manutenção dos interesses das elites dominantes.
No caso do Brasil, as elites aguardaram a abertura de uma brecha para pôr por terra o discurso de conciliação de classes e empreender uma violenta desconstrução das forças de esquerda que governaram o país nos últimos anos.
Essa desconstrução se vale de poderosos recursos de propaganda que, em articulação com os poderosos grupos de mídia nacional, impõe ao cidadão médio falsos conceitos como se fossem verdadeiros, havendo aí, para executar essa tarefa, alianças amplas com grandes especialistas em tecnologia, retórica, oratória e, principalmente, com os representantes do fundamentalismo religioso que se especializou, nos últimos 40 anos em penetrar em corações e mentes e lá plantar seu discurso e visão de mundo.
Foi, portanto, essa conjunção de fatores que nos levou a um quadro de derrota nas municipais de 2016 e que nos leva a pensar que a narrativa do golpe por si só não se sustenta e que o “Fora Temer ” precisa se aprimorar, pois há a percepção e reação negativa da população à figura de Temer, mas essa rejeição não se estende aos seus mais próximos aliados.
Para reerguer a esquerda devemos, como movimento social, voltar às nossas práticas de trabalho de base e aproximação com as massas, lembrando que desde a redemocratizacao os movimentos sociais sempre fortaleceram o partidos de esquerda, cabendo aí avaliar o grande erro que foi a vinculação umbilical dos movimentos sociais ao partido hegemônico, tirando destes movimentos a capacidade de crítica ao conjunto de erros que estavam se formando e  que ao fim lhe levou à inevitável queda.
É necessário compreender que o momento político a nós desfavorável nos impõe uma agenda de diálogos, capacitações e formações que visem recuperar o tempo perdido. Discutir o cotidiano, a realidade de cada um, apresentar propostas e juntos buscar soluções, nos é um caminho possível e extremamente necessário neste momento. Precisamos resgatar o que tínhamos de mais poderoso que era proximidade com os mais pobres e mais pretos,  estes mesmos que agora são e serão apontados por alguns segmentos como culpados e acusados de votar mal.
Se hoje a política retroage há trinta anos é nosso dever resgatar as estratégias e metodologias que nos levaram a conquistar o poder, mesmo que por um curto período de tempo e , agora sim, escaldados pelos erros, não mais cometê-los, buscando construir novos elementos referenciais a partir daquilo que pauta nossa luta, que é o combate ao racismo e  às suas nefastas consequências.
Márcio Alexandre
Coordenador Nacional de Política Institucional do CEN

--

Att,
Coletivo de Entidades Negras - CEN
__._,_.___

Enviado por: =?UTF-8?B?Q0VOIEJyYXNpbCAtIENvbXVuaWNhw6fDo28gQ0VO?=

Outras Palavras

http://www.outraspalavras.net

Boletim de atualização - Nº 712 - 6/10/2016


A opção da Justiça Fiscal
Nossos estudos revelam: em oposição à PEC-241, que ameaça devastar serviços públicos, é hora de enfrentar tabus e propor mais impostos para os muito ricos. Por Grazielle Davi (Outras Palavras)

Brasil: a dimensão geopolítica do golpe (2)
A partir do início do século, condições peculiares permitiram que América do Sul ousasse buscar autonomia. Brasília exerceu posição destacada -- com a qual Washington nunca se conformou Por Luís Fernandes (Outras Palavras)

E o Podemos encantou-se com o Estado?
Líder dos PMs críticos assegura: espalha-se, na corporação, oposição a reprimir os pobres e as lutas. Mas primeiro passo para combater violência é garantir direitos dos policiais. Por Manuela Azenha, na Brasileiros  (Outras Palavras)

No Alto Xingu, entre xamãs e feiticeiros
Orientada por Viveiros de Castro, e depois de viver entre os Aweti, Marina Vanzolini sugere que certas etnias indígenas constroem, para si mesmas, mecanismos de discórdia que as impedem de crescer descontroladamente. Por José Tadeu Arantes, na Agência Fapesp (Outras Mídias)

Como as polonesas derrotaram a lei anti-aborto
Convocadas de forma quase espontânea, manifestações reuniram multidões em mais de 60 cidades. Governo recuou. País, de forte influência católica, restringe direitos das mulheres desde fim da época socialista. Por Juliana Domingos de Lima, no Nexo (Outras Mídias)

México: dois anos do crime que abalou o país
Sequestro de 43 estudantes continua não esclarecido e impune. Fato escancarou espiral de violência no país, provocou renúncia do governador de Guerrero e lançou ao abismo popularidade do presidente. Por João Flores da Cunha, no IHU (Outras Mídias)

Carros elétricos: a China lidera a mudança
Líder há anos na geração eólica e solar, país agora multiplica por dez produção de automóveis não movidos a petróleo. Estado estimula conversão da frota com subsídios Por José Eustáquio Diniz Alves, no Eco Debate (Outras Mídias)

Para conhecer os Psicanalistas que Falam
Série de entrevistas em vídeo traz a palavra de profissionais que ousaram democratizar a psicanálise. No primeiro episódio, Antonio Lancetti destaca a importância dos "territórios marginais". Por Inês Castilho (Blog da Redação)
--Boletim de atualização do site Outras PalavrasA reprodução é bem-vinda. Interessados em recebê-lo devem clicar aqui. Para deixar de receber, aqui. Acompanhe nossas novidades também no Facebook
(5511) 3253 3168 
_______________________________________________
Boletimdiplo mailing list
Boletimdiplo@listas.tiwa.net.br
https://listas.tiwa.net.br/listinfo/boletimdiplo
Descadastrar: envie email a Boletimdiplo-unsubscribe@listas.tiwa.net.br

Deputado Ronaldo Santini

Santini apresenta PL de incentivo à segurança para Fecomércio-RS

Na quinta-feira (6), o deputado estadual Ronaldo Santini (PTB), esteve em reunião-almoço na Federação do Comércio de Bens e de Serviços do Estado do Rio Grande do Sul (Fecomércio-RS), onde apresentou junto ao conselho de assuntos legislativos, o Projeto de Lei (PL) 77 /2016, de sua autoria, que dispõe sobre a criação do Programa Estadual de Incentivo à Segurança Pública do Estado do RS (LISEG/RS).
            O programa tem por objetivo a aplicação de recursos em projetos de relevância para o incentivo, aquisição e manutenção de equipamentos para os órgãos da Segurança Pública. Sendo que as empresas contribuintes de ICMS estabelecidas no Estado, que apoiarem financeiramente projetos estaduais ligados ao Programa Estadual de Incentivo ao Aparelhamento da Segurança Pública do Estado do RS, previamente aprovados pela Câmara Técnica, poderão compensar, até 100% do valor comprovadamente aplicado.
Santini mencionou que a meta é criar uma forma de alavancar recursos para manutenção de veículos e equipamentos da segurança pública, assim como a implementação de novas tecnologias de controle e pesquisa. “Dá-se como exemplo a SUSEPE o Instituto Geral de Perícias, os quais carecem de investimentos constantes para atualização de tecnologias e equipamentos para pesquisa, nos fazendo crer na importância e na executoriedade da proposta. O projeto parte das experiências bem sucedidas com a Lei de Incentivo à Cultura, o Pró-Esporte e com a Lei da Solidariedade, programas que demonstram o potencial dessa ferramenta”, argumentou o parlamentar.
Os projetos poderão ser apresentados por órgãos representativos de servidores, órgãos de classe reconhecidos, Conselhos Municipais ou Estadual de Segurança, constituídos e reconhecidos na forma da Lei, bem como pelos Municípios, através de seus órgãos responsáveis.

Foto e texto: Mayara Dalla Libera

--


Gabinete do Deputado Estadual Ronaldo Santini (PTB)
Assessoria de Comunicação
Jornalistas: Ederson da Rocha e Mayara Dalla Libera
(51) 3210 1906 
(51) 9548 3591
(51) 9841 4084
(54) 9666 5533


Acompanhe e siga o deputado Ronaldo Santini (PTB/RS):

Vereadora Sofia Cavedon

Nossas Escolhas - Edição 176 - Outubro de 2016

Agenda de Sofia Cavedon
Parece pouco, mas é por demais valorosa a vitória que conquistamos juntos!
Marta Resing
Foi um trabalho de quatro anos - aplicado junto aos movimentos e comunidades, às pautas de resistência e de construção de políticas para uma cidade e um país democráticos, socialmente justos, ecologicamente equilibrados e culturalmente voltados para a superação da desigualdade, do preconceito e das violências – e numa campanha coletiva, alegre, mostrando que fizemos e faremos muito mais, enfrentando a marginalização da política, os defeitos e erros de nossa estrela, o golpismo mentiroso e tendencioso da mídia, a complacência e discricionariedade do judiciário, ministério público e polícia federal - que reelegeram nosso mandato de vereadora, de maneira tão vigorosa e amorosa!

Continue lendo...
Marque a data: 21 de Outubro - Festa dos 9.670 Abraços!  
                                                          Compartilhe, Divulgue, Compareça!!!
                                                Arte Marta Resing
                                                       #EuAbraçoCausasQueAbraçamPessoas
                                                                           Acesse aqui.
Sofia pede Comissão Especial para tratar da Segurança na Capital
Foto Ugeirm Sindicato/RS
Constituição de uma Comissão Especial para tratar do tema da segurança pública, foi protocolada na terça-feira (04/10) pela vereadora Sofia Cavedon na Câmara de Porto Alegre.

Segundo Sofia a violência atingiu níveis alarmantes na cidade, expondo os cidadãos e as cidadãs a uma insegurança cotidiana.

Saiba mais...
Programação da II Mostra de Artes do Teatro Glênio Peres
Arte Memorial CMPA
Cia Rústica encena Feito Criança nesta sexta e sábado. Os ingressos, gratuitos, já podem ser retirados.

A Mostra de Artes Cênicas e Música do Teatro Glênio Peres é uma iniciativa da vereadora Sofia Cavedon (PT), construída com o Sindicato dos Artistas do RS (Sated/RS).

Feito Criança é o segundo espetáculo da II Mostra, aberta no dia 30 de setembro com o show Louca Viagem, da banda Trem Imperial. Até o final de dezembro, haverá 11 atrações de música, teatro, dança e circo, sempre com ingressos grátis.

Confira as próximas atrações no Teatro Glênio Peres acessando aqui.
Sofia pede ao Governador a retirada de urgência na votação do PL 181/2016
Foto Ederson Nunes/CMPA
Conforme a Vereadora a proposta dá um “cheque em brancopara o Governo do Estado alienar imóveis pertencentes ao Poder Público sem debate com a população e sem ter que passar pela Assembleia Legislativa.
Saiba mais...
Mais vereadoras são eleitas no Estado, mas volume ainda é pequeno
Foto Fredy Vieira/JC
Por Juliana Mastrascusa, especial para o JC

Apesar do crescimento do debate sobre a participação das mulheres nos espaços públicos, o pleito do último domingo não mudou significativamente a representação feminina para os próximos quatro anos nos Legislativos dos 10 principais colégios eleitorais do Rio Grande do Sul.

Sofia Cavedon, presidente da Procuradoria da Mulher na Câmara de Porto Alegre, crê que os números são um retrato do sexismo na sociedade. Para ela, há uma falta de debate sobre temas como identidade de gênero nas escolas, o que contribui para uma divisão de posições sociais entre meninos e meninas desde a infância. "O sexismo determina que o papel da mulher é o cuidado, que seu trabalho externo, fora de casa, deve ser na área social, na saúde, assistência social", acredita.
Leia mais...
 
 FACEBOOK TWITTER YOUTUBE FLICKR G+
Comitê: Av. João Pessoa, 741 - Em frente à Redenção
Porto Alegre/RS - Whats e Fone (51) 98641012
Jorn. Marta Resing - sofia.cavedon3@gmail.com

NPC

22º CURSO ANUAL DO NPC: Comunicação popular e sindical como ferramenta de mobilização contra as forças retrógradas da sociedade
 
 
Confira entrevista exclusiva de Claudia Giannotti, coordenadora do Núcleo Piratininga de Comunicação, ao Terra Sem Males sobre os objetivos e a importância do Curso Anual do NPC.

[Por Paula Zarth Padilha - Terra Sem Males]
 
Estão abertas as limitadíssimas inscrições para a 22ª edição do Curso Anual do Núcleo Piratininga de Comunicação, entidade de formação da mídia popular e sindical no Brasil, idealizada pelo saudoso Vito Giannotti. Em 2016, são apenas 180 vagas, direcionadas a jornalistas, intelectuais, dirigentes sindicais. A programação deste ano debate o tema central “Fusão da mídia com o Estado e a manipulação de consciências”. De acordo com Claudia Santiago Giannotti, que assumiu a coordenação do Núcleo e decidiu com a equipe do NPC continuar na formação popular após o falecimento de Vito, em julho de 2015, a abordagem vai retratar os desafios da comunicação no Brasil desde a ditadura militar.
 
“A preparação para a implantação da ditadura militar no Brasil foi precedida de uma forte campanha através do instituto PES (Instituto de Pesquisas e Estudos Sociais) fundado em 1961 por altos empresários brasileiros para veicular propaganda para desestabilizar o governo do presidente João Goulart. Depois de dado o golpe, coube às organizações Globo a função de mantê-los no poder. Vamos ver isso didaticamente no curso com João Braga Areas. Na mesma mesa, Francisco Fonseca vai falar de uma a mídia sustentou a implantação do projeto neoliberal no Brasil e Luís Felipe Miguel sobre a articulação do golpe de 2016. Tudo isso arrematado pelo conhecimento histórico e filosófico do professor Nilson Lage, que formou centenas de jornalistas brasileiros.  Esse tema também vai estar presente na mesa “Os donos da mídia e suas ramificações” com Venício Lima, Maringoni e Eduardo Granja Coutinho”, relata Claudia.


Além da programação oficial, o curso permite aos participantes a integração aos movimentos populares do Rio de Janeiro, como uma visita noturna guiada ao morro Santa Marta.  “Já é tradicional a visita à favela Santa Marta, em Botafogo, devido à proximidade que temos com pessoas que moram lá e que são do curso de Comunicação Popular do NPC. Todos os anos o repper Fiell organiza uma turma e leva para conhecer a localidade que tem uma das vistas mais belas do Rio, com direito a parada no Bar do Zé Baixinho, que é um grande amigo nosso. Neste ano de 2016 a manhã de domingo vai estar liberada para que as pessoas possam passear pelo Rio, a cidade maravilhosa. Se quiserem poderão ver de perto as mudanças que ocorreram na cidade em função dos megaeventos e ter a sua opinião a respeito”, convida.


Terra Sem Males – Quais são os principais desafios que vão nortear os debates do 22º curso anual do NPC?

Claudia Santiago Giannotti – Análise de conjuntura, análise do resultado das eleições e o papel dos meios de comunicação nisso tudo. São eles onipresentes e onipotentes, como nós afirmamos no Núcleo Piratininga de Comunicação?  E a mídia sindical, popular, qual o peso que ela tem na disputa de hegemonia? As questões não são novas, porém estamos diante de um intensivo ataque das forças da direita, das forças retrógradas da sociedade, o que nos obriga a estudar muito, conversar muito e produzir comunicação organizadamente. Com foco, com objetivo e com muita qualidade. E com muita proximidade com os trabalhadores. Fazer juntos a comunicação. Nos sindicatos, nos bairros, nas favelas. Uma comunicação que aglutine, seja participativa, que os leitores sejam também seus produtores.

Quais são as novidades deste ano para quem já participou nos anos anteriores?

Volto na questão da conjuntura. Não estamos mais vivendo o sonho contado no cinema por Oliver Stone e Tariq Ali, no filme “Ao Sul da Fronteira”. Não estamos vivendo momentos de Fórum Social Mundial e de esperança em dias melhores para os trabalhadores. Estamos debaixo de um retrocesso do ponto de vista da perda de direitos laborais, como também do ponto de vista do simbólico, da censura, da Lei da Mordaça que vai atrapalhar bastante a vida dos professores. Estamos em um momento de insegurança institucional.  Assim, a novidade é enfrentar esse momento político. Uma das mesas que considero muito importante é a que vai tratar das batalhas da mídia desde 1964 até os dias de hoje. Ou seja, em eu batalhas os meios de comunicação se envolveram de lá para lá. Na verdade vamos pensar desde Vargas e Juscelino Kubitschek. Outra novidade é que vamos trazer Francisco Louça, um dos criadores da Frente de Esquerda de Portugal para discutir com os brasileiros sobre os desafios dos trabalhadores na Europa neste momento.

Qual o objetivo do NPC com a realização desse encontro anual?

Preparar a classe trabalhadora para seus desafios no campo da comunicação. Ajudar os trabalhadores a entender que sem comunicação não tem tesão de mudar o mundo.

Quantas pessoas já participaram do curso em todos esses anos?

Essa é a pergunta mais difícil. Umas três mil pessoas, talvez. Começamos com pouquinhos em um convento, em São Paulo, umas 40 pessoas. Depois viemos para o Rio, outro convento, em Santa Tereza, umas 50 pessoas. Daí pulamos para um hotel com cem pessoas, depois para o Sindipetro com 120 e passou para 300 pessoas por ano. Nos últimos anos têm participado cerca de 300 pessoas, mas algumas se repetem ano após ano.

Qual a importância da participação de dirigentes e jornalistas sindicais nessa oportunidade de formação via NPC?

É uma oportunidade única de encontrar praticamente todos os setores da esquerda brasileira, do rosinha ao roxo, como dizia nosso coordenador Vito Giannotti, falecido em 24 de julho do ano passado. Se encontrar e debater políticas de comunicação com professores, jornalistas, diplomatas, policiais. Sair daqui fortalecido para enfrentar os tremendos desafios que temos pelo frente hoje.

Até quando as inscrições podem ser feitas? Serão aceitas inscrições no local?

As inscrições estão terminando. Temos apenas 180 vagas este ano. Decidimos fazer o curso todo centralizado em um hotel e isso nos obrigou a nos adequarmos ao tamanho do salão. Não poderão ser feitas inscrições no local. Acesse aqui para saber mais e fazer sua inscrição.

Mensagem de Luciana Genro

Oi, Paulo furtado. Aqui é a Luciana Genro.

Quero agradecer o teu apoio neste primeiro turno das eleições em Porto Alegre. O PSOL cresceu e se consolida cada vez mais na cidade, ampliando sua bancada na Câmara Municipal com um novo vereador, o Roberto Robaina, e elegendo a Fernanda Melchionna como a parlamentar mais votada!

Agora, neste segundo turno, não existe um candidato "menos pior". O Melo e o Marchezan representam um mesmo projeto político, por isso nenhum deles terá o nosso apoio. Eu explico nossa posição nesta entrevista que concedi ao site de notícias Sul21: ‘Não existe menos pior em Porto Alegre. Melo e Marchezan representam o mesmo projeto’.

Também te convido a assistir aos principais momentos da nossa declaração oficial após o encerramento do primeiro turno, que tu podes conferir aqui: https://youtu.be/lpZ4LJ5NlSM

Forte abraço e seguimos na luta,
Luciana Genro

Comentário de Carla Pires

   
 
Carla Pires mencionou-te num comentário.
 
   
Carla Pires
7/10 às 19:53
 
MUITO OBRIGADO PELO CARINHO MEU GRANDE AMiGOPaulo Roberto Furtado 󾌬󾌬󾌬󾌬󾌬
 

Campanha do Prefeito Eleito Amadeu Boeira











Via Popular do PT Derrotada Nas Eleições Municipais de Vacaria RS


Fotos: Facebook


A Via Popular com a candidatura de Dagmar Dengo do PDT onde se tentou esconder o PT e suas bandeiras mas não o mito chamado  Prefeito Elói Poltronieri que mais parecia o candidato a Prefeito a reeleição mesmo assim ficaram em terceiro lugar com 23,82% totalizando 8.299 num grande fiasco para quem ficou oito anos no poder e com a toda máquina administrativa na mão. O Candidato Dagmar Dengo sem projeto politico e somente se utilizando do nome do Prefeito Elói Poltronieri não conseguiram ficar no poder com vários erros e escândalos que foi a atual administração em muitos casos com a omissão do próprio Prefeito que vivia na cidade do nunca e administração de ficção que só favorecia os seus "amiguinhos" e os comprados por cargos. Nessa segunda gestão cassado e cheios de escândalos o Prefeito Elói Poltronieri não conseguiu eleger o seu candidato a Prefeito. Agora com certeza o PT volta ao patamar de ser um partido pequeno e sem expressão no município agora fora do poder. E com certeza a população está livre deles e nós do Jornal Negritude também que fomos perseguidos e processados por conivência de alguns que aqui nos permitimos a não citar nesse blog. Vacaria agora respira um ar puro e de renovação.

Bela Imagem do Facebook


Empresa que Causa Transtornos no Bairro Chico Mendes em Vacaria

Empresa de brita em plena zona urbana causando problemas no Bairro Chico Mendes para os moradores muito pó e poluição.

Campanha eleitoral do Prefeito Eleito Amadeu Boeira






Reclamação dos Moradores do Bairro Chico Mendes




Moradores do Bairro Chico Mendes reclamam do pó desse empresa de Brita instalada no local que trás transtornos naquele local.

Campanha Eleitoral do Prefeito Eleito Amadeu Boeira