Rádio WNews

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Protesto de Colorados contra a CBF





Caravana Colorada


Paulo Furtado e a Musa do Grêmio




Paulo Furtado e a Musa do Grêmio




Paulo Furtado e a Musa do Grêmio




Paulo Furtado e a Colega Clairene




Cotas no Serviço Público Federal

STF declara constitucionalidade da Lei de Cotas no serviço público federal

Por Luiz Otávio de Brito

A decisão do STF é importante refletir do que se posicionar como uma vitória, mas o começo para eliminar o racismo institucional que esta assolando a Comunidade Negra do Brasil pela desconsideração da representatividade.

Na publicação do afropress de 14/05/2017, titulo “Para chefe da SEPPIR é preciso não só reunir, mas unir os negros”, a coordenadora de políticas da Comunidade Negra e Indígena do Estado de São Paulo Elisa Lucas, pelo governo Alkimin não ter sido incluído no Processo Nacional de Promoção da Igualdade Racial, justificou o seguinte:

“...A não adesão de S. Paulo ao Sinapir, se deveu ao fato de que, durante os 13 anos de governos do PT, tanto a SEPPIR quanto a Fundação Palmares, foram dirigidas por militantes ligados ao PT e ao PC do B, enquanto em S. Paulo, os gestores de políticas ligados a população negra, eram nomeados por governos do PSDB. Agora, no Governo Michel Temer, as duas instituições passaram a ser dirigidos por gestores tucanos, como é o caso de Araújo Júnior, que é do PSDB de Minas...”

Considerando a 14.187, DE 19 DE JULHO DE 2010, do Governo do Estado de São Paulo, que dispõe sobre penalidades administrativas a serem aplicadas pela prática de atos de discriminação racial e pelo racismo que a Comunidade Negra de Santos sofre perante a Defensoria Pública do Estado de São Paulo, que o racismo institucional é uma forma de corrupção e pelo desabafo da Elisa Lucas, que expõe desavença partidária, mostrando estar mais interessada na questão partidária do que ao compromisso do cargo que lhe foi outorgado, abre a oportunidade para colocar de conhecimento que no trabalho que desenvolvo em prol da Comunidade Negra e Comunidade do Samba da Metrópole Santista, em relação a definição de cotas pelo STF, que vejo a decisão como o primeiro ato adotado em favor da população negra, tenho como verdade mais o seguinte.

Cada vez mais, no Brasil, existem debates para combater o preconceito e o racismo, que realmente é um mal que precisa ser eliminado. Fala-se no dia da consciência negra e nas atividades de inclusão, mas a discriminação e o desrespeito, ou seja, o racismo institucional praticado pelos que deveriam nos defender é o que furta a sociedade.

Cotas para Negros publicamente tem sido muito defendido, mas o que se esconde por trás desse discurso é uma cultura que atualiza o racismo.

Toda pessoa tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal, acontece que para a militância partidária que se impõe como absolutos, ainda não entende isso, esta vendo seu irmão sofrer mas, se portam como não compete ajudar.

Os Negros do Brasil que se impuseram e se impõe como absolutos, dariam um magnífico exemplo e fortaleceria sua imagem da Comunidade Negra e do país se acatasse os Direitos Humanos.

A definição de cotas pelo Supremo Tribunal Federal podemos considerar como um começo, aguardamos os acertos porque a militância partidário por aceitar a subserviência, não formou estrutura representativa e tem acontecido problemas como que as cotas foram implantadas mas a vigilância se encontra abandonada e mais, a militância partidária que esta a frente, por considerar como sendo privilégio, não possuem argumento
que justifique para a sociedade o porque da necessidade de cotas.

O Dojival Vieira, jornalista do Afropress, na nascença do movimento negro partidário, em 18/04/05, registrou para a história e que pelo discurso que não se acanhou em registrar a Elisa Lucas, serve para todos os partidos que se impõe absolutos em relação a representatividade dentro do poder o qual foi o seguinte:

"... Para o grupo do “campo petista”, o mundo ainda se divide entre esquerda direita, mocinhos e bandidos, o bem e o mal, não há nuances e nem tonalidades possíveis no seu mundo bipolar; nesta divisão reducionista, simplista e mecânica do mundo, o movimento social negro se divide entre os negros de esquerda e os de direita; portanto, entre os negros do PT e os negros que não são do PT.

Em um mundo tão pobre assim, reduzido ao maniqueísmo primário, o Partido detém a verdade sobre e acima de todas as coisas; quem quer que ouse dela discordar atrai para si a ira dos deuses, antipatias gratuitas, torna-se um herético, um renegado, como nos velhos tempos em que os manuais do stalinismo faziam sucesso.

Ao contrário do stalinismo clássico, responsável pela morte de milhões de pessoas na União Soviética, o daqui é tosco, primário mesmo. Não tem nenhum refinamento se que é que se pode usar o termo para uma ideologia responsável pela morte de milhões de pessoas. Nem graça.

Se seus adeptos fossem encaminhados ao divã, o diagnóstico seria simples e rápido: trata-se da projeção de problemas existenciais, ressentimentos e recalques mal resolvidos, de uma vida emocional pobre, sem poesia nem esperança. O fato de ter como pano de fundo o terreno da psicanálise não o torna menos letal: também mata, ou pelo menos tenta, quando investe contra a reputação de todo aquele que ouse discordar das verdades eternas; quando se torna irradiador das energias do rancor e do ódio que torna os ambientes carregados..."

A pratica do racismo institucional é uma forma de corrupção e para colaborar no combate é complicado porque quem ousa, esta sendo vigiado pelos “capitães de mato moderno”, que tem aos que buscam o avanço, inimigos que tem que ser eliminados.

A verdade é de que com a decisão do STF, não há como desacreditar que a sociedade brasileira esteja mudando. Na medida em que o reconhecimento dos atos de racismo ficam mais explícitos, também se torna inevitável o comprometimento das instituições para fazer valer a lei, o que como estou mostrando não acontece ainda no Estado de São Paulo.

Afinal, racismo é crime quem esta sendo furtado é a sociedade e claro esta sentindo e se manifestando.

Em relação as cotas no serviço público, confirmado pelo STF, temos mais que refletir em relação a posição da presidente do Supremo Tribunal Federal a qual é a seguinte:

“...Muitas vezes o preconceito – contra negros ou contra mulheres, entre outros – é insidioso e existe de forma acobertada, e outras vezes é traduzido em brincadeiras, que nada mais são do que verdadeiras injúrias, que indignam.
Ações afirmativas como a que consta da Lei 12.990/2014 demonstram que andamos bem ao tornar visível o que se passa na sociedade...". (Presidente do Supremo Tribunal Federal ministra Cármen Lúcia.)

Ainda em nossa geração aguardamos também as correições, porque o racismo institucional praticado pela militância partidária, ou seja, por aqueles que se colocam como nossos irmãos, humilha o ser humano perante a família, perante os amigos, enfim, humilha o cidadão perante a sociedade.

Luiz Otávio de Brito é Presidente da Associação de Defesa da Comunidade Negra e Sambista da Metrópole Santista.


Inter 4 x 2 Náutico




Beira Rio
Brasileiro da Série B

Inter 4 x 2 Náutico


Série B do Brasileiro

Outras Palavras















​​









Boletim 819 - 10/6/2017













Jeremy Corbyn revela: outra esquerda é possível

Avanço dos trabalhistas ingleses, e de seu líder rebelde, envia um sinal. Sociedades estão cansadas de partidos acomodados – mas dispõem-se a enfrentar o neoliberalismo e lutar por mudanças estruturais. Por Antonio Martins (Outras Palavras)




Israel: uma história de invasõesAlém da Paletina, Egito, Síria e Líbano. Um breve retrospecto e um mapa para compreender como Telavive viola, desde 1948, territórios dos povos e países vizinhos. (na imagem, ataque à população palestina na Cisjordânia) Por Bruno Huberman (Terra em Transe)



Cracolândia e El Bronx (Bogotá): script em três atosEm dois centros do capitalismo periférico, idêntico roteiro e imagens de abandono, degradação e captura do espaço urbano pelos especuladores. Coincidência ou lógica sistêmica? Por Karine Carneiro, da rede InDebate (Outras Palavras)




Água, a grande tragédia invisívelAgravadas pelo aquecimento global, desigualdades e falência dos Estados, secas podem atingir 1,8 bilhões de pessoas em oito anos. Número de refugiados começa a disparar. “Comunidade internacional” permanece passiva. Por Baher Kamal (Outras Palavras)




Levante, novos capítulos"Chove uma chuva fininha e sem fim. Não penso nas mulheres que amei. Penso humildemente na sensação antiga, ancestral, de que as quedas lavavam um pouco os pecados do mundo". Por Aírton Paschoa, que antecipa trechos de seu livro mais recente (Outras Palavras)




“Mulher do pai” e o lugar da mulher no cinemaOutras Palavras e Coletivo Elviras debatem, nesta segunda-feira, um filme instiga a refletir sobre o papel feminino no audiovisual brasileiro, e a necessidade de ampliá-lo. (Blog da Redação)






--

Boletim de atualização do site Outras Palavras. A reprodução é bem-vinda. Interessados em recebê-lo devem clicar aqui. Para deixar de receber, aqui. Acompanhe nossas novidades também no Facebook e no YouTube


_______________________________________________

Boletimdiplo mailing list

Boletimdiplo@listas.tiwa.net.br

https://listas.tiwa.net.br/listinfo/boletimdiplo

Descadastrar: envie email a Boletimdiplo-unsubscribe@listas.tiwa.net.br

Outras Palavras














​​









Boletim 819 - 10/6/2017













Jeremy Corbyn revela: outra esquerda é possível

Avanço dos trabalhistas ingleses, e de seu líder rebelde, envia um sinal. Sociedades estão cansadas de partidos acomodados – mas dispõem-se a enfrentar o neoliberalismo e lutar por mudanças estruturais. Por Antonio Martins (Outras Palavras)




Israel: uma história de invasõesAlém da Paletina, Egito, Síria e Líbano. Um breve retrospecto e um mapa para compreender como Telavive viola, desde 1948, territórios dos povos e países vizinhos. (na imagem, ataque à população palestina na Cisjordânia) Por Bruno Huberman (Terra em Transe)



Cracolândia e El Bronx (Bogotá): script em três atosEm dois centros do capitalismo periférico, idêntico roteiro e imagens de abandono, degradação e captura do espaço urbano pelos especuladores. Coincidência ou lógica sistêmica? Por Karine Carneiro, da rede InDebate (Outras Palavras)




Água, a grande tragédia invisívelAgravadas pelo aquecimento global, desigualdades e falência dos Estados, secas podem atingir 1,8 bilhões de pessoas em oito anos. Número de refugiados começa a disparar. “Comunidade internacional” permanece passiva. Por Baher Kamal (Outras Palavras)




Levante, novos capítulos"Chove uma chuva fininha e sem fim. Não penso nas mulheres que amei. Penso humildemente na sensação antiga, ancestral, de que as quedas lavavam um pouco os pecados do mundo". Por Aírton Paschoa, que antecipa trechos de seu livro mais recente (Outras Palavras)




“Mulher do pai” e o lugar da mulher no cinemaOutras Palavras e Coletivo Elviras debatem, nesta segunda-feira, um filme instiga a refletir sobre o papel feminino no audiovisual brasileiro, e a necessidade de ampliá-lo. (Blog da Redação)






--

Boletim de atualização do site Outras Palavras. A reprodução é bem-vinda. Interessados em recebê-lo devem clicar aqui. Para deixar de receber, aqui. Acompanhe nossas novidades também no Facebook e no YouTube


_______________________________________________

Boletimdiplo mailing list

Boletimdiplo@listas.tiwa.net.br

https://listas.tiwa.net.br/listinfo/boletimdiplo

Descadastrar: envie email a Boletimdiplo-unsubscribe@listas.tiwa.net.br